Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

Economista do FMI demite-se "envergonhado"

  • 333

Economista Peter Doyle demitiu-se, após 20 anos no FMI, "envergonhado por ter estado associado com o Fundo", que acusa de sonegar informação.

Mariana Cabral (www.expresso.pt)

Peter Doyle, economista do Fundo Monetário Internacional (FMI) há 20 anos, apresentou a sua demissão no passado dia 18, numa carta, agora divulgada, com fortes críticas à organização liderada atualmente por Christine Lagarde.

"Envergonhado por ter estado associado com o Fundo", Peter Doyle dirigiu-se ao decano do conselho de administração, o egípcio Abdel Shakour Shaalan, para criticar o FMI pela falta de avisos prévios quando das crises mundiais de 2007 e 2009 - de acordo com a CNN, que teve acesso à carta.

A sonegação de informação sobre as crises, incluindo a que afeta agora a zona euro, foi considerada por Doyle como um "falhanço em toda a linha".

O economista, que coordenava os assuntos relacionados com a Suécia, a Dinamarca e Israel no departamento europeu do FMI (responsável pelo programas de resgate à Grécia, a Portugal e à Irlanda), lamenta que a falta de ação e avisos aos políticos por parte do Fundo tenham contribuído para o declínio da economia de alguns países.

Nem Lagarde escapa

Doyle também criticou o processo de seleção dos líderes da organização, que considera estar "manchado", não só por assegurar sempre um europeu na chefia, mas também pelas "desastrosas" escolhas dos últimos anos.

"Até mesmo a atual titular do cargo [Christine Lagarde] está manchada, uma vez que nem o seu género, integridade ou entusiasmo podem compensar a ilegitimidade do processo de seleção", acusou.

Os últimos três líderes do FMI demitiram-se todos antes do final dos seus mandatos. Horst Koehler saiu repentinamente em 2004 para se candidatar à presidência da Alemanha; Rodrigo Rato, ex-ministro das finanças espanhol, deixou o mandato a meio para regressar ao país natal, em 2007; e Dominique Strauss-Kahn apresentou a demissão depois de ter sido preso em maio do ano passado,acusado de ter violado uma camareira de um hotel.

Peter Doyle era muito respeitado dentro do FMI, admitiram fontes da organização que não quiseram ser identificadas, de acordo com a Reuters. O economista tornou-se o rosto das tensões ocultas dentro do Fundo, onde há quem esteja em desacordo com as condições de empréstimos à Europa, que não são as mesmas nos bailouts de outras economias emergentes.

A crescente austeridade nos países resgatados também tem sido ponto de desacordo no FMI, quando a crise na Europa já entrou no terceiro ano consecutivo.

O FMI compõe, com o Banco Central Europeu e com a Comissão Europeia, a troika, grupo de credores internacionais que resgatou Grécia, Irlanda e Portugal.