Siga-nos

Perfil

Economia

Energia

Souto de Moura enterra central de Foz Tua

Vítor Andrade (www.expresso.pt)

A EDP contratou Souto de Moura para minimizar o impacto visual da nova central hidroelétrica de Foz Tua. O arquiteto assim fez: enterrou o edifício.

Ponte de Edgar Cardoso, sobre o rio Tua, junto do local onde vai ser construída a barragem da EDP
1 / 14

Ponte de Edgar Cardoso, sobre o rio Tua, junto do local onde vai ser construída a barragem da EDP

Paredão da barragem ao fundo e casa das máquinas à esquerda, cujo impacto visual levantou algumas dúvidas aos ambientalistas
2 / 14

Paredão da barragem ao fundo e casa das máquinas à esquerda, cujo impacto visual levantou algumas dúvidas aos ambientalistas

Edifício da central hidroelétrica “eliminado” da paisagem por sugestão do arquiteto Souto de Moura
3 / 14

Edifício da central hidroelétrica “eliminado” da paisagem por sugestão do arquiteto Souto de Moura

Vista de mais longe, esta antevisão da primeira versão da obra, mostra a dimensão do edifício da polémica
4 / 14

Vista de mais longe, esta antevisão da primeira versão da obra, mostra a dimensão do edifício da polémica

A mesma perspectiva mas sem edifício
5 / 14

A mesma perspectiva mas sem edifício

Com oliveiras plantadas sobre a encosta onde ficou “enterrado” o edifício
6 / 14

Com oliveiras plantadas sobre a encosta onde ficou “enterrado” o edifício

Local onde seria implantado o edifício, antes do início da obra
7 / 14

Local onde seria implantado o edifício, antes do início da obra

Antevisão da fachada principal do polémico edifício
8 / 14

Antevisão da fachada principal do polémico edifício

O mesmo local depois de intervencionado segundo a proposta de Souto de Moura (antevisão)
9 / 14

O mesmo local depois de intervencionado segundo a proposta de Souto de Moura (antevisão)

.
10 / 14

.

Planta da zona de intervenção das obras de Foz Tua
11 / 14

Planta da zona de intervenção das obras de Foz Tua

Planta da central e da subestação
12 / 14

Planta da central e da subestação

Corte transversal em que se vê o edifício “enterrado”, segundo a proposta de Souto de Moura
13 / 14

Corte transversal em que se vê o edifício “enterrado”, segundo a proposta de Souto de Moura

Corte transversal
14 / 14

Corte transversal