Siga-nos

Perfil

Economia

Energia

EDP aumentou produção de energia em 19% no primeiro semestre

  • 333

António Mexia, presidente executivo da EDP

Alberto Frias

A primeira metade do ano contou com um aumento da produção eólica e hídrica. Mas o grupo teve uma queda na distribuição de eletricidade em Portugal e no Brasil e na venda de gás em Espanha

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A EDP encerrou o primeiro semestre com um crescimento de 19% no volume global de produção de eletricidade, evolução sustentada pela maior disponibilidade de recursos hídricos na Península Ibérica e por uma maior produção de energia eólica. Combinadas, estas duas fontes renováveis representaram 75% da geração de eletricidade da EDP entre janeiro a junho.

Os dados que o grupo enviou esta quinta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) mostram que além do crescimento de 23% na produção da EDP Renováveis (maioritariamente eólica mas também contando com algumas centrais solares) o grupo registou uma subida de 117% na sua produção hidroelétrica vendida no mercado liberalizado e de 74% na produção hídrica coberta por contratos de longo prazo.

A produção de eletricidade a partir de combustíveis fósseis esteve em queda no primeiro semestre. As centrais de ciclo combinado a gás natural registaram um recuo de 6% no volume de produção. As centrais a carvão na Península Ibérica tiveram quedas de dois dígitos, mas no Brasil a produção a carvão da EDP quase quadruplicou.

Mas se globalmente o volume de eletricidade produzida pela EDP até junho foi superior ao do primeiro semestre do ano passado, nas outras linhas de negócio do grupo os indicadores operacionais tiveram desempenhos distintos.

A EDP registou até junho uma descida de 0,6% na distribuição de eletricidade em Portugal, mas o volume distribuído em Espanha cresceu 0,2% em termos homólogos. No Brasil a distribuição de eletricidade sofreu uma queda de 5,4%.

No segmento do gás natural, a distribuição deste combustível pela EDP registou um aumento de 3,6% em Portugal e uma queda de 7,3% em Espanha (que a EDP explica com um menor volume de energia fornecida a clientes domésticos no país vizinho).

A EDP apresentará ao mercado os seus resultados do primeiro semestre no dia 28 de julho.