Siga-nos

Perfil

Economia

Energia

António Mexia ganhou €2,1 milhões em 2015

  • 333

António Mexia, presidente executivo da EDP

Alberto Frias

Remunerações brutas do presidente-executivo da EDP ultrapassaram os dois milhões de euros no ano passado, incluindo um bónus extra de 360 mil euros que a comissão de vencimentos justifica com as “qualidades de liderança e visão estratégica” do gestor

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O presidente-executivo da EDP, António Mexia, arrecadou em 2015 uma remuneração bruta de 2,1 milhões de euros, um valor que engloba as componentes fixas e variáveis do seu vencimento e ainda as remunerações plurianuais que são pagas de três em três anos.

A remuneração de António Mexia, que este mês completa 10 anos à frente da EDP, somou 239 mil euros de vencimentos fixos pelo mandato concluído a 21 de abril de 2015 e quase 548 mil euros de componente fixa pelo novo mandato iniciado a partir dessa data.

Além destes 787 mil euros de remuneração fixa, o gestor auferiu 480 mil euros de remuneração variável pelo seu desempenho no exercício de 2014 e 549 mil euros de vencimento variável diferido relativo ao ano 2012.

Mas houve mais: a título extraordinário, a comissão de vencimentos da EDP decidiu atribuir a António Mexia um bónus de 360 mil euros, justificado pelas "qualidades de liderança e visão estratégica" reveladas pelo presidente executivo no mandato de 2012 a 2014.

Globalmente, as remunerações dos órgãos sociais da EDP em 2015 foram de 14,99 milhões de euros, ligeiramente abaixo dos 15,32 milhões de euros gastos pelo grupo em 2014.

As remunerações dos mais de 12 mil colaboradores da EDP, por seu turno, passaram de 484,9 milhões de euros em 2014 para 488,6 milhões de euros em 2015, revela o relatório e contas anual da elétrica.