Siga-nos

Perfil

Economia

Energia

Galp reforçou liderança no mercado de gás natural no primeiro trimestre

  • 333

A petrolífera portuguesa continuou nos três primeiros meses do ano a ser a empresa que fornece mais gás em Portugal, embora em número de clientes seja a EDP que tem a maior carteira de contratos

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A Galp Energia, maior fornecedor de gás natural no mercado liberalizado português, reforçou a sua posição de liderança no primeiro trimestre deste ano, passando de uma quota de mercado de 57,6% em dezembro de 2014 para uma quota de 59,4% em março de 2015.

Os dados da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) relativos ao peso dos vários comercializadores no volume de gás fornecido em Portugal mostram que a Galp não foi o único operador a crescer, já que também a EDP elevou a sua quota de 10% para 12,5% no mesmo período.

O crescimento das duas empresas portuguesas beneficiou das quedas nas quotas de mercado de operadores como a espanhola Gas Natural Fenosa, que desceu de 17,4% para 15,2%, e de outros fornecedores que, no seu conjunto, viram a sua quota baixar de 7,4% para 4,1%.

O mercado liberalizado de gás natural em Portugal voltou a conquistar novos clientes durante o primeiro trimestre, chegando ao final de março com 886 mil contratos ativos. Nesse mês o mercado regulado de gás natural já tinha menos de 491 mil clientes.

Analisando o mercado do gás em função do número de clientes e não dos volumes abastecidos, a liderança permaneceu com a EDP, apesar de um recuo de 49,2% para 48,9% no número total de clientes no mercado liberalizado. Essa posição cimeira reflete, no caso da EDP, a elevada exposição do grupo presidido por António Mexia, ao segmento residencial (já a Galp, ao ter a maior quota do volume fornecido, espelha uma presença mais forte no consumo industrial).

O segundo maior operador por número de clientes voltou a ser a Galp, cuja quota subiu de 25,1% em dezembro para 26,3% em março. A Galp relegou assim para a terceira posição a Goldenergy, que recuou de 25,7% para 24,8% no primeiro trimestre deste ano.