Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Agricultura

Agricultura: ministro quer desempregados nos campos

  • 333

O ministro da Agricultura, António Serrano, desafia população desempregada a aceitar propostas de trabalho no sector agrícola.

O ministro da Agricultura desafiou hoje, no Algarve, os desempregados nacionais com capacidade para trabalhar no setor agrícola a aceitarem as propostas de emprego existentes em Portugal e recordou que os empresários estão a contratar mão de obra externa.

"Gostaria de ver mais gente que está no desemprego a aproveitar a oportunidade que o setor da Agricultura cria, porque há de facto uma criação de postos de trabalho na área", disse António Serrano, à margem de uma visita a diversos investimentos do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) na região algarvia.

Questionado pela agência Lusa sobre o porquê de haver falta de mão de obra portuguesa no setor hortícola e frutícola por todo o país, o ministro explicou que os empresários têm dificuldades em encontrar portugueses que queiram trabalhar na Agricultura e, por isso, estão a recorrer à mão de obra externa, nomeadamente tailandesa.

Oportunidades de trabalho 

"Havendo tanta oportunidade de emprego na Agricultura (...), temos hoje, face ao crescimento dos hortícolas e frutícolas, uma incapacidade de conseguir atrair gente que está no desemprego para trabalhar neste setor", explicou António Serrano, acrescentando que esta situação tem levado "muitos empresários a recorrer a imigrantes, nomeadamente à Tailâdia".

O ministro admitiu que era um trabalho com "alguma dureza", mas que gera recursos financeiros para alimentar uma família e, por isso, reiterou que "gostava muito que quem está no desemprego pudesse aderir aos empregos e às ofertas que são criadas todos os dias" em todo o país.

"Se não houvesse necessidade não estávamos a recorrer a mão de obra externa. Havendo desemprego e havendo oferta de trabalho, acho que tem de haver algum ajustamento e esperar que as pessoas possam também ser cativadas para trabalhar nesta área", adiantou.