Siga-nos

Perfil

Economia

Bolsa e Mercados

China provoca a maior desvalorização da sua moeda em duas décadas

  • 333

O Banco Popular da China informou em comunicado que o propósito desta alteração foi melhorar a orientação de mercado da taxa de câmbio

DAVID CHANG / EPA

O banco central chinês mexeu no câmbio do yuan, que provocou uma queda de 2% da moeda chinesa face ao dólar, e que tem como objetivo aumentar a exposição da divisa asiática ao mercado internacional

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O banco central da China concretizou esta terça-feira uma alteração à metodologia de cálculo do câmbio entre o yuan e o dólar, que levou à maior desvalorização diária da moeda chinesa das últimas duas décadas.

O Banco Popular da China informou em comunicado que o propósito desta alteração foi melhorar a orientação de mercado da taxa de câmbio. Segundo a Reuters, não só a cotação do yuan face ao dólar afundou 2%, como também outras moedas apresentaram esta terça-feira significativas desvalorizações, entre as quais o dólar australiano, o dólar de Singapura, a rupia indonésia e o iene japonês.

O banco central chinês justifica a alteração promovida na taxa de câmbio com o elevado excedente comercial que a China ainda tem e a posição relativamente forte do yuan, que, segundo o banco chinês, não é inteiramente consistente com as expectativas do mercado.

As autoridades chinesas acreditam que a desvalorização de 2% ocorrida esta terça-feira é um movimento único de ajustamento cambial, ainda que o mercado possa precisar de algum tempo adicional para se adaptar.

O Banco Popular da China espera agora que as forças do mercado tenham um papel mais forte na determinação da taxa de câmbio da moeda chinesa, até hoje fortemente determinada pelo Estado chinês.

A maior exposição do yuan aos mecanismos de mercado poderá facilitar a entrada da moeda chinesa no leque de divisas de referência para os investidores internacionais. A desvalorização da moeda chinesa poderá ainda permitir ao país acelerar as suas exportações, num momento em que a economia nacional está a crescer a níveis inferiores aos pretendidos.