Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

"DN" é o mais afetado pelos despedimentos na Controlinveste, "O Jogo" é o menos

Profissionais estão a ser chamados um a um durante hoje e amanhã. Dos 160 despedidos, 65 são jornalistas.

Adriano Nobre e Pedro Santos Guerreiro

O "Diário de Notícias" é o meio de comunicação social da Controlinveste mais afetado pelo programa de despedimentos hoje comunicado. A empresa não revela dados desagregados mas o Expresso sabe que o matutino é aquele onde mais gente será despedida, embora todos os meios sejam afetados. O desportivo "O Jogo" será o que terá menos impacto.

Desde que a nova administração tomou posse na Controlinveste, saíram já 20 profissionais após negociação. A este número somam-se mais 160 hoje comunicados: 20 deles por rescisão amigável, 140 através de despedimento coletivo. Dos 160 hoje comunicados, 65 são jornalistas e 95 são de funções não redatoriais e de áreas não editoriais do grupo.

No "DN" são cerca de 25 os jornalistas afetados pela restruturação e, na delegação de Lisboa do "Jornal de Notícias"", outros dez. Aliás, esta estrutura do "JN" deixa cair o título "delegação" e passa apenas a ser a "secção" lisboeta. No Porto, a redação deste jornal deverá perder também mais uma dezena de profissionais.

Era já esperado um programa de rescisões na Controlinveste, mas a notícia caiu hoje como uma bomba nas redações, como pôde testemunhar o Expresso em conversa com vários profissionais da Controlinveste. Além do número em causa, o processo de saber-se a conta-gotas quem será despedido e quem será poupado gera ansiedade.

A lista das pessoas a despedir resulta de propostas de diretores e foi discutida pela administração há vários dias. Hoje, os gestores reuniram-se de manhã com os diretores dos órgãos de comunicação social em causa (em Lisboa e no Porto), que por sua vez já se reuniram com chefias intermédias. As 160 pessoas serão chamadas, uma a uma, quase todas durante o dia de hoje, admitindo-se que algumas o sejam apenas amanhã. As cartas de despedimento seguem para as suas casas esta semana.

Não será encerrado nenhum título da Controlinveste, que é proprietária dos jornais "Diário de Notícias", "Jornal de Notícias", "O Jogo" e da rádio TSF. O "DN" será o mais afetado por ser, também, aquele que tem resultados mais negativos. João Marcelino, diretor deste diário, já começou esta manhã a falar com os trabalhadores visados no processo de redução de pessoal.

O conselho de administração da Controlinveste explica esta medida com "a evolução negativa do mercado dos media" e com "a acentuada quebra de receitas do sector". Para a empresa, esta é "uma decisão estratégia de redução de custos para garantir a sustentabilidade do negócio".