Siga-nos

Perfil

Economia

Dinheiro

Inov e entre no mercado de trabalho

Se tem entre18 e 35 anos, é licenciado e está à procura de emprego ou de um novo, os programas Inov são uma oportunidade para não cair no desemprego ou melhorar a sua situação profissional.

Daniela Teles Fernandes

Esta iniciativa apresentada pelo Governo pretende ser uma ponte entre as universidades e o mercado de trabalho. A ideia central é colocar jovens a estagiar durante seis a doze meses numa entidade nacional ou internacional e assim promover a entrada dos mesmos no mercado de trabalho. Inov Jovem; Inov Social; Inov Contacto; Inov Mundus; Inov-Art e o Inov Vasco da Gama, são alguns dos programas já criados. No entanto, a Iniciativa Emprego 2010 promete uma verba de 46 milhões de euros para o reforço dos estágios Inov nas áreas da mediação sócio-cultural; ambiente; protecção civil e energias renováveis, comprometendo-se a abranger cinco mil jovens.

Numa altura em que o desemprego atinge quase 600 mil pessoas e uma taxa superior a 10%, os programas Inov podem ser uma porta de entrada para o mercado de trabalho. Conheça-os.

Os estágios Inov Jovem duram 12 meses e destinam-se a facilitar a inserção de jovens licenciados em pequenas e médias empresas nas áreas de construção, comércio, turismo, transportes, produção alimentar e outros serviços. O programa está receptivo a todas as áreas formação, basta encontrar uma empresa interessada em si, uma vez que a candidatura deve ser submetida pela entidade patronal e não pelo estagiário.

No Inov Social, os estágios também são de um ano, a candidatura também é feita pela empresa acolhedora, porém o alvo são as instituições de economia social. Se tem interesse por actividades de solidariedade social e desenvolvimento local, procure uma associação sem fins lucrativos que o deseje contratar por esta via. Este ano, já foram admitidos 120 estagiários.

Além destes dois programas promovidos, geridos e financiados pelo Instituto de Formação e Emprego Profissional  (IEFP), existem outros tutelados por ministérios em conjunto com as suas direcções gerais e institutos. É o caso do Inov Export, lançado recentemente pela Agência de Investimento e Comércio Externo de Portugal, com vista a estimular o emprego de especialistas em comércio internacional nas PME's Nacionais com actividades ligadas à exportação. As candidaturas estão oficialmente abertas. Os 500 estagiários seleccionados terão como principal função durante nove meses, zelar pela competitividade e internacionalização das empresas em que forem integrado no contexto internacional.

Além do Inov Export, a AICEP abrirá novamente candidaturas em Junho para a 14ª edição do Inov Contacto, cujos estágios iniciar-se-ão em Novembro. Portanto, se tem menos de 30 anos, é licenciado (preferencialmente) em ramos relacionados com Gestão, Economia, Marketing, Engenharias, Novas e Biotecnologias e domina a língua a inglesa, esteja atento às próximas datas. Submeta a sua candidatura online, o número de vagas é de 550 para uma verba de sete milhões de euros. Filipa Almeida, 23 anos, mestranda em Comunicação, é um exemplo de uma das seleccionados e que actualmente encontra-se em Pequim, a estagiar na AICEP China. "Estou a trabalhar na área da promoção dos investimentos e do comércio externo, o INOV Contacto proporcionou-me as melhores condições para ver e ser mais", contou a jovem ao Dinheiro e acrescenta que tem intenções de ficar pelo país, caso consiga ingressar numa universidade chinesa para aprender a língua.

Inov Mundus promovido pelo Instituto de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD) é outra oportunidade. No entanto, o número de vagas é menor. Na última edição dos 1250 candidatos, apenas foram acolhidos 75 estagiários para um orçamento médio de 18 mil euros por estagiário, que partiram para o estrangeiro no início deste ano com a missão trabalhar em instituições com actividades ligadas à cooperação e desenvolvimento. O IPAD aceita candidatos provenientes de todas as áreas de formação, desde que se coadunem com os objectivos do estágio e adianta que a partir de Janeiro de 2011, abrirá novamente inscrições.

Já o Inov-Art, foi concebido pela Direcção Geral de Artes (DGARTES) a pensar nos artistas, designers, arquitectos e outros profissionais das artes performativas. Este ano o programa recebeu 3169 candidaturas para uma verba de cinco milhões de euros que apenas permite admitir pouco mais de 200 estagiários. Este programa é o único que não exige formação superior, requerendo apenas formação comprovada aos jovens que pretendam concorrer e lutar por uma carreira internacional.

O Inov Vasco da Gama apesar de nunca ter acontecido, foi criado com o intuito de contribuir para a internacionalização de jovens gestores e empresários portugueses. A AICEP justifica a não concretização do programa pela falta de apoios comunitários e pelo número de candidaturas ter sido inferior a 30, entre as quais algumas não eram viáveis.

A grande procura por este tipo de oportunidades profissionais, é explicada não só pela necessidade de enriquecimento curricular, mas também pelos apoios estatais concedidos - bolsa de estágio no valor de duas vezes o indexante de apoio social (2 x 419,22euros); subsídio de alimentação e alojamento; seguros de acidentes; despesas com as viagens para o estrangeiro e os custos com Internet. Se preenche os requisitos mínimos, arrisque!