Siga-nos

Perfil

Economia

Dinheiro

Férias com desconto

Ser turista torna-se um direito. Jovens, idosos, portadores de deficiência ou famílias carenciadas vão ter férias subsidiadas pela União Europeia. Clique para visitar o canal Dinheiro

Ana Pimentel

Os jovens entre os 18 e 25 anos, idosos com mais de 65, pensionistas, famílias com "dificuldades sociais, financeiras ou pessoais" e portadores de deficiência vão poder fazer férias com desconto. O subsídio da Comissão Europeia para os turistas pode cobrir até 30% das despesas, segundo uma proposta apresentada por Antonio Tajani, comissário europeu da Indústria e Empreendedorismo, em Madrid.

A proposta visa toda a União Europeia e será posta em prática até 2013. Contudo, a ideia nasceu em Espanha, em Outubro do ano passado e já cativou cerca de 50 mil turistas, com mais de 55 anos. O governo português já demonstrou o seu apoio à iniciativa. Em declarações ao jornal i, Bernardo Trindade, secretário de Estado do Turismo, explicou que esta proposta é "uma medida que permite democratizar o acesso a férias e combater a sazonalidade do Turismo". Esta expansão do turismo social ainda não conhece financiamento, nem qual será o seu impacto orçamental. Convém não esquecer que estão previstos cortes nas prestações sociais no Programa de Estabilidade e Crescimento, proposto pelo Governo, para reduzir o défice para os 3% em 3 anos. Bernardo Trindade afirmou que a execução deste subsídio será "feita em articulação com o programa da Comissão Europeia".

"Fazer turismo hoje é um direito", disse Antonio Tajani, no discurso de abertura da conferência que se realizou em Madrid. "A forma como passamos as nossas férias é um óptimo indicador da nossa qualidade de vida", acrescentou. Para o comissário, o objectivo é a promoção do orgulho na cultura europeia. "O nosso turismo deve tornar-se totalmente acessível para aqueles cuja viagem se torna difícil: idosos, pessoas com mobilidade reduzida, jovens e famílias mais pobres", disse.

Mais turismo, mais emprego

O turismo desempenha um papel crucial para o desenvolvimento e integração económica e social das zonas rurais, segundo Antonio Tajani. É também uma fonte de rendimentos para as economias locais e uma forma de promover o emprego estável.

Só o sector do turismo contribui com 5% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu, uma contribuição que pode chegar aos 10% se se tiver em conta todos os sectores industriais. Mais: representa cerca de 2 milhões de empresas que empregam, directamente, 9,7 milhões de pessoas, ou seja, 5,2% do mercado de trabalho da União Europeia. Além disso, a União Europeia é o principal destino turístico do mundo com 380 milhões de chegadas de turistas internacionais. "A Europa é também uma maravilhosa fonte de turistas. Só para citar um exemplo (retirado das estatísticas Eurostat): em 2008, mais de um bilião de residentes da União Europeia viajou, independentemente da finalidade e duração da viagem", acrescentou o comissário europeu.

Contudo, apesar da importância crescente do turismo, este é um sector que apresenta várias dificuldades, como a falta de acesso ao crédito. É importante incentivar os europeus do Norte a conhecer as ofertas culturais do Sul e vice-versa, aproveitando as faixas etárias que são abrangidas pelo subsídio.

António Trindade, empresário do sector turístico, afirmou ao i que estas medidas são "estimulantes" para os países europeus e uma forma de os operadores turístico equilibrarem os picos de turismo e preços médios. As faixas etárias abrangidas não têm de viajar numa época especial, podendo fazê-lo em qualquer altura do ano. Assim, atribuem "uma ajuda a pessoas que, em condições normais, não têm dinheiro para fazer férias".

As expectativas apontam para que a despesa social seja recuperada posteriormente, através das mais-valias geradas pelo turismo, um sector que emprega cerca de um quinto da população activa portuguesa.