Siga-nos

Perfil

Economia

Dinheiro

4 PPR que merecem o seu dinheiro

Fomos à procura de soluções de investimento para a reforma e encontramos dois pares de planos poupança-reforma que, segundo o desempenho nos últimos 5 anos, merecem a atenção dos investidores Clique para visitar o canal Dinheiro

Joaquim Madrinha

Nos fundos de investimento, as rendibilidades passadas não são garantia de rendimentos futuros. No entanto, para quem procura um destes produtos para amealhar para a reforma, os resultados passados são a melhor pista para antecipar o que poderá acontecer ao seu dinheiro no futuro. Com base nesta premissa, o Dinheiro foi à procura dos melhores mealheiros para a reforma e encontrou 4 planos poupança-reforma (PPR) que, devido ao desempenho obtido nos últimos 5 anos, devem merecer a confiança dos investidores.

SGF Património Reforma Conservador PPR Rendibilidades 1 ano: 8,04% 3 Anos: 1,70% 5 Anos: 3,42% Investimento mínimo: n.a. Reforços: €100 Comissão de subscrição: Até 3% Risco: Baixo

É um PPR sob a forma de fundo de pensões e é o mais conservador dos produtos apresentados: só pode investir até 10% do portefólio em acções. No prospecto simplificado, não define um montante mínimo de investimento, mas está estipulado que só são aceites reforços iguais ou superiores a 100 euros. A comissão de subscrição até 3% é o ponto mais desfavorável desde produto. Porém, quem realizar as subscrições através da sociedade gestora do fundo, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões (SGF), e não através de um intermediário financeiro poderá evitá-la. Mais. Quem for sócio da Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (Deco) não só fica isento das comissões de entrada como recebe 1% das entregas realizadas sob a forma de unidades de participação (UP) como ganha um prémio de permanência de 0,5% por ano - também sob a forma de UP -, calculado sobre o valor total da poupança a 1 de Janeiro do ano a que respeita e calculado mediante o tempo decorrido sobre o valor das entregas efectuadas e das transferências recebidas durante o respectivo ano.

PPR 5 Estrelas Rendibilidades 1 ano: 11,58% 3 Anos: 2,61% 5 Anos: 3,24% Investimento mínimo: €500 Reforços: 25€ Comissão de subscrição: não tem Risco: Baixo

É um PPR sob a forma de fundo de pensões que investe directa ou indirectamente até 25% da carteira em acções. É por isso um fundo adequado a investidores que estejam a pelo menos uma década de distância da idade legal de reforma (65 anos). Em Março, 69,3% do portefólio do fundo estava aplicado em títulos de dívida, dos quais 41,6% em obrigações soberanas, 18,4% em acções, 11,4% em imobiliário e o restante em obrigações estruturadas e liquidez. Na parte accionista, os títulos da Portugal Telecom e da Galp eram os títulos nacionais mais pesados da carteira. Nas acções estrangeiras, a fabricante de telemóveis Ericsson, a Nestlé e a petrolífera Total eram as maiores apostas da equipa de gestão. Este fundo não cobra comissões de subscrição. Para começar a investir é necessário ter 500 euros e para fazer reforços bastam 25 euros, caso o reforço seja mensal, ou 75 euros, caso seja trimestral. É gerido pela Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões e pode ser adquirido nos balcões do banco Montepio.

Alves Ribeiro PPR Rendibilidades 1 ano: 36,69% 3 Anos: 5,30% 5 Anos: 5,59% Investimento mínimo: €50 Reforços: €50 Comissão de subscrição: 1,5% Risco: Médio/Alto

É o único fundo PPR entre os produtos apresentados. É também o mais arriscado e o mais rentável, apesar de cobrar uma comissão de subscrição de 1,5%. Este facto torna-o inadequado para efectuar um plano de poupança mensal, por exemplo, devido ao efeito nefasto que a "jóia" de entrada tem na rendibilidade final. Em Março, o fundo tinha um portefólio composto em 51,6% em obrigações de dívida pública, 37,9% por obrigações de dívida privada, 9,9% em acções e o restante em liquidez. Nos títulos de dívida pública, Portugal era o emitente mais pesado da carteira, enquanto na dívida privada, as maiores apostas da equipa de gestão eram os bancos USB e o Deutsche Bank. Nas acções, as maiores posições recaíam sobre o banco britânico Barclays e a petrolífera Galp. A exposição a acções, directa ou indirecta pode ascender a 30% do capital do fundo. O Alves Ribeiro é gerido pela Invest Gestão de Activos - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliários e comercializado pelo Banco Invest.

ESAF PPR Vintage Rendibilidades 1 ano: 4,33% 3 Anos: 3,64% 5 Anos: 4,44% Investimento mínimo: €250 Reforços: €150 Comissão de subscrição: Até 2,5% Risco: Baixo

É o fundo PPR que apresenta maior consistência nas rendibilidades anualizadas do último quinquénio e é o menos volátil dos fundos citados. Investe até 15% do portefólio em acções, o que o torna adequado a investidores que estejam a pelo menos 5 anos da idade reforma. Segundo o prospecto simplificado, o "bilhete" de entrada pode custar até 2,5% do valor a aplicar mas, segundo a informação patente no site da Espírito Santo Activos Financeiros (ESAF), este custo não está a ser aplicado. No final de Março, a carteira do ESAF PPR Vintage era composta em 88,7% por obrigações, 5,6% em acções, 3,1% em imobiliário e o restante em liquidez e investimentos alternativos. Este fundo é comercializado pelo Banco Best e pela ESAF.

Fonte: Apfipp, CMVM, Bloomberg. Rendibilidades anuais em euros líquidas de impostos. 16 de Abril de 2010.