Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Desemprego jovem sempre a subir

  • 333

Pedro Passos Coelho na apresentação do Livro Branco da Juventude, em Braga: "Temos hoje, cada vez mais, jovens que encontram oportunidades cá e que entendem que Portugal pode ser um bom destino".

Hugo Delgado/Lusa

Pedro Passos Coelho disse na semana passada que os jovens já "encontram oportunidades" em Portugal. Mas os números do INE mostram que a taxa de desemprego jovem continua a aumentar.

Joana Madeira Pereira, Sónia M Lourenço e Carolina Reis

Quando Ana entrou na Universidade Católica, estava convencida de que a saída seria mais fácil. Foram dois anos e meio entre estágios não remunerados e mais uma pós-graduação no estrangeiro até conseguir trabalho numa agência de eventos - só possível graças ao "protocolo de estágios do IEFP". Caso contrário, Ana estaria em mais um estágio não remunerado. Ana já não é, pois, uma das jovens que engrossam a taxa de desemprego, publicada esta segunda-feira pelo INE. 

O caso de Ana (nome fictício) é apenas um caso, um caso em que até tem emprego, o que atribui a "sorte". À entrada do curso de Comunicação Social e Cultural tinham-lhe dito que "o estar na Católica ajuda a arranjar emprego", pelo que não esperava tantas dificuldades. "Foram dois estágios sem receber, sendo que num deles ainda tive de pagar à Universidade Católica, e sem perspectivas de arranjar trabalho. Deram-me o trabalho de sapa, aquele que ninguém queria fazer." 

Casos como os de Ana são aos milhares, até que, na semana passada, Pedro Passos Coelho contrariou esse fado: na apresentação do Livro Branco da Juventude, em Braga, o primeiro-ministro declarou: "Se tivemos durante muitos anos jovens que não encontraram em Portugal as oportunidades adequadas, temos hoje, cada vez mais, jovens que encontram oportunidades cá e que entendem que Portugal pode ser um bom destino". 

Não é ainda o caso de Raquel (nome fictício), apesar do percurso exemplar na faculdade de Ciências de Lisboa: média de 16 valores até ao fim do curso, mesmo quando esteve em Itália a fazer Erasmus. Quando a faculdade acabou, rumou aos Países Baixos para fazer o mestrado na área da Biologia e depois seguiu para a Noruega fazer o doutoramento. Esteve sempre nos primeiros lugares nas avaliações, desenvolveu projetos, viajou pelo mundo em trabalho académico e quando regressou a Portugal estava a contar candidatar-se a uma bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, mas nunca a recebeu. "Quando me candidato para empregos em lojas dizem-me que tenho CV a mais, no ensino está tudo lotado e na minha área vai ser difícil arranjar." Raquel tem 33 anos, vive em casa dos pais e pensa em emigrar. "Gostava de ficar em Portugal, contudo, estou cansada da situação."

O Instituto Nacional de Estatística (INE) publicou esta segunda-feira as suas estimativas mensais para a taxa de desemprego, referentes a fevereiro: um novo aumento do desemprego dos jovens, entre os 15 e os 24 anos. A taxa, corrigida da sazonalidade, atingiu 35% e está a subir, ininterruptamente, desde outubro, quando se fixou nos 33%. Desde junho de 2014 que não atingia este patamar.

Desemprego sobe entre os jovens... e não só

Não foi apenas entre os jovens que o desemprego aumentou. Segundo o INE, a taxa de desemprego total, também corrigida da sazonalidade, atingiu 14,1% em fevereiro. Este valor é mais alto em 0,3 pontos percentuais ao estimado para janeiro. Mais ainda, o valor relativo ao primeiro mês do ano foi corrigido de forma acentuada, tendo passado da estimativa inicial de 13,3% para 13,8%.

É certo que a taxa estimada pelo INE para fevereiro é inferior à registada no mesmo mês do ano passado. O que significa que, em termos homólogos, a taxa de desemprego continua a cair. Mas, uma análise aos últimos números mensais, mostra que o desemprego não para de subir desde há quatro meses consecutivos. Em novembro, a taxa era de 13,5%; em fevereiro, voltou a ultrapassar o patamar dos 14%, pela primeira vez desde julho do ano passado.

Segundo o INE, o aumento da taxa da desemprego resultou do acréscimo da população desempregada e da redução da população empregada. E esta queda no emprego é um sinal de alerta para os economistas.

Em fevereiro a população empregada diminuiu 0,3% em relação a janeiro. Foram menos 11,1 mil pessoas com postos de trabalho. Assim, a população empregada estimada foi de 4.399,9 mil pessoas.

Ao mesmo tempo, a população no desemprego aumentou 1,7% face ao mês anterior (11,7 mil pessoas), para 719,6 mil desempregados.

Queda do desemprego em 2013 e 2014 foi "atípica"

Afinal, o que explica esta inversão da tendência de queda do desemprego, iniciada na primavera de 2013? Paulino Teixeira, um dos economistas contactos pelo Expresso, lembra que "o Governo procurou desde o início da crise ser mais ativo na dinamização do mercado de trabalho através da criação de estágios e cursos de formação nos centros de emprego". Agora, a revisão em alta da taxa de desemprego em janeiro pode ter estado associada ao fim de alguns destes programas, considera o professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Paulino Teixeira aponta ainda outra possibilidade: "Alguma redução do fluxo migratório", levando a um aumento da população desempregada em Portugal. 

João Cerejeira, professor de Economia da Universidade do Minho admite, até, que a crise de pagamento em Angola e consequente estancamento da ida de portugueses para aquele país, possa já estar a ter reflexos nas estatíticas do emprego. Tal como a passagem de algumas pessoas sem trabalho, que eram consideradas inativas (porque não procurava ativamente emprego), para o desemprego. O que contribui para o aumento da população estatisticamente considerada desempregada.

Apesar de tudo, o economista aconselha cautela na leitura das estimativas mensais divulgadas pelo INE. "Desde que saíram [foram pela primeira vez publicadas em outubro de 2014], algumas das estimativas já foram revistas. As referentes ao ano passado, apontavam para um comportamento do mercado de trabalho pior do que veio a constatar-se na análise trimestral". Por isso, considera, "não se podem tirar conclusões precipitadas".

Contudo, o especialista chama a atenção  para a redução do emprego, constante no boletim do INE divulgado esta segunda-feira. A população empregada baixou do patamar das 4,4 milhões de pessoas, pela primeira vez, desde fevereiro do ano passado. "Voltámos mais ou menos ao mesmo volume de emprego de há um ano", indica Cerejeira, altura em que se registaram 4.387,8 milhares de pessoas empregadas. Em fevereiro deste ano, eram 4.399,9.

Para o economista, os baixos níveis de crescimento da economia portuguesa não justificavam a diminuição acentuada da taxa de desemprego e o aumento do emprego que ocorreram em 2013 e 2014: "Essas evoluções foram atípicas. Parece-me que, agora, estamos perante o esgotamento das formas de diminuição do desemprego", considera. "Só será possível inverter esta tendência de aumento do desemprego a partir do momento em que a economia passe a crescer acima dos 2%", reflete.

Outros economistas apontam no mesmo sentido. E lembram que os números do INE para a queda no desemprego e crescimento no emprego, em 2013 e 2014, poderiam estar associados a um fenómeno estatístico relacionado com a renovação da amostra resultante dos censos de 2011. Até porque esses valores não eram compatíveis com os indicadores de outras fontes relativos ao crescimento do emprego, nomeadamente do Banco de Portugal.

Assim, os valores dos últimos meses publicados pelo INE poderão traduzir não um aumento real do desemprego, mas uma correção face às estimativas do instituto ao longo dos últimos dois anos. Ou seja, de acordo com esta ideia, o mercado de trabalho português não estava tão bem como os números aparentavam desde 2013, nem agora está tão mal como os últimos números sugerem.

Desemprego deve estabilizar

Será que estes últimos números do INE significam que estamos perante um aumento sustentado do desemprego? Economistas contactados pelo Expresso consideram que não, mas alertam que o desemprego não vai descer nos próximos meses. Pelo menos, de forma significativa.

"A taxa de desemprego não vai descer a breve trecho, dada a natureza do crescimento económico português", salienta Paulino Teixeira. "São taxas modestas e o investimento é escasso e cada vez menos intensivo no fator trabalho". O economista deixa uma sugestão: "Os centros de emprego continuam muito na mão do Governo. Deviam estar mais na mão dos parceiros sociais, que estão ainda muito afastados." O que "dificulta a transição da escola para o mercado de trabalho, quando o abandono escolar precoce em Portugal ainda é significativo".

João Cerejeira é um pouco mais otimista, prevendo que a taxa de desemprego desça a partir do segundo semestre. O economista considera que os números menos positivos dos últimos meses podem refletir algum adiamento de decisões de investimento, com os empresários portugueses a fazerem um compasso de espera até ao início da execução do novo pacote de fundos comunitários.