Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

"Desculpem-me esta arrogância, mas acho que o Governo sabe pouco de economia"

  • 333

Foi um dos maiores economistas do país, dois meses antes de falecer falou com o Expresso.

Anabela Campos e Isabel Vicente

José Silva Lopes, um dos mais reputados economistas portugueses, figura central nas nacionalizações do pós-25 de abril e uma voz vigilante sobre o rumo de Portugal, recebeu o Expresso a 2 de fevereiro, para uma conversa sobre a economia no âmbito de um trabalho que ainda não foi publicado. Foi o último encontro do ex-governador do Banco de Portugal e ex-ministro das Finanças (1974, 1975 e 1978) com o Expresso e terá sido a última entrevista que deu. Faleceu dois meses depois, a 2 de abril. Já estava frágil e lamentava a perda de visão, que lhe limitava a capacidade para ler e estudar tudo quanto pretendia para estar a par da evolução da economia e do país.

Fez parte dos quatro primeiros governos em democracia, introduziu o subsídio de Natal, participou aos 27 anos nas negociações que levaram à entrada de Portugal na EFTA e morreu a um mês de completar 83 anos.

O futuro económico do país, defendeu Silva Lopes, está muito dependente das exportações, área que assegurou tem sido pouco apoiada pelo governo. Embora reconheça que a austeridade "funcionou mal", mais na Grécia do que por cá, considera que terá de ser revista e avisa que Portugal não se livrará dela nos próximos anos.

 "Devo dizer que, tal como o FMI, não vejo maneira de Portugal se libertar da austeridade tão depressa. Vamos continuar com austeridade, pelo menos, quatro ou cinco anos. Devíamos pôr mais ênfase no apoio às exportações e eu não vejo nada sobre isso", alertou Silva Lopes.

O economista, que chegou a ser administrador da CGD, reconheceu que não é fácil o Estado apoiar diretamente as exportações, por causa das regras da concorrência europeia, mas admitiu que há formas de dar a volta à questão. Dá exemplos: apoiar a formação profissional nas empresas exportadoras ou dar mais garantias de crédito às pequenas e médias empresas (PME) com projetos nessa área. E aponta ainda: "Um dos problemas do país nesta matéria é que não temos investimentos novos nas exportações. Não estamos a expandir a capacidade exportadora. Se disséssemos que estávamos a montar fábricas de produtos metalomecânicos ou de peças de automóveis, mas não estamos.  Por isso, continuo com dúvidas sobre o futuro das exportações".

Preocupado com o assunto, faz questão afirmar: "O apoio às exportações tem sido descuidado. Desculpem esta arrogância, mas eu acho que o governo sabe pouco de economia". Atirou ainda: "E não percebe que apostar nas exportações não é apenas dizer a palavra". Silva Lopes reconhece porém que de uma "maneira geral" os executivos em Portugal têm percebido pouco de economia. 

 

O mistério das exportações

Especialista na área de comércio internacional, Silva Lopes olhava para as exportações com muita atenção, e confessou ao Expresso que os últimos números lhe causavam alguma surpresa. Porquê? "Segundo o FMI,  no ano passado as exportações cresceram bastante, à volta de 6%, mas cresceram onde? Eu não vi bem, é  evidente que eu acredito naqueles números, mas... O petróleo é uma fonte importante das exportações, mas não contribui muito nem para o valor acrescentado nacional, nem para o emprego, e altera completamente a visão das estatísticas. Entra por um lado, sai por outro e fica pouco cá, muito pouco. O petróleo devia ser excluído das estatísticas. Mas se calhar não lhes convém". "Um crescimento de 6% é muito alto, eu diria que o normal seria de 3% a 4%", adiantou, para concluir: "As exportações são para mim um grande mistério". Referia-se às estatísticas. 

"É preciso também fazer alguma coisa para travar as importações. Portugal no ano passado foi o país da Europa onde as vendas  de automóveis mais aumentaram. É verdade que foi a partir de uma crise, mas o governo continua a avançar com medidas como, por exemplo, dar um subsídio para o abate de carros velhos. São favores a grupos de pressão, estamos a arranjar empregos para a Alemanha, em vez de arranjar empregos em Portugal". É pelo controlo da balança de pagamentos, onde não se  está a atuar como deve ser, que se deve "ir para a glória". E sublinhou, deixando uma mensagem de esperança, que o país tem agora algumas condições para escolher o bom caminho:"Temos os empréstimos da troika, ainda temos boa imagem internacional, e tivemos duas sortes enormes: a descida do preço do petróleo, que é um alívio extraordinário, e a baixa das taxas de juro".

Ainda assim considera que será duro. "Sou da opinião que a nossa dívida pública externa não é facilmente sustentável. O governo, o FMI e o Banco de Portugal dizem que sim, mas eu acho que não".  Silva Lopes deixa um último alerta: se a Grécia sair do euro, Portugal vem logo atrás. E alega: "Os gregos são a prova, provadinha de que a austeridade não resolve nada".