Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Constâncio e troika não responderam sobre o BES

  • 333

Prazo para respostas já foi ultrapassado e os deputados continuam à espera. Ricciardi pode ser chamado outra vez.

Vítor Constâncio e os representantes da troika não responderam às perguntas que lhes foram enviadas por escrito pela comissão parlamentar de inquérito (CPI) ao caso BES dentro do prazo definido pelo Parlamento. Uma atitude que foi comentada com apreensão na última reunião entre os representantes dos partidos que compõem a comissão - sobretudo no caso de Constâncio, por ser português e pelos altos cargos que ocupou em Portugal, antes de ir para vice-presidente do BCE com o pelouro da supervisão.

Também o presidente do BCE, Mario Draghi, não respondeu às questões no prazo estabelecido, assim como os três responsáveis do FMI que ao longo do resgate chefiaram as missões a Portugal. Dos anteriores comissários europeus Joaquín Almunia e Olli Rehn também não há respostas, sendo o caso do espanhol mais estranho: o Parlamento não conseguiu descobrir o seu paradeiro para lhe enviar as perguntas.

Almunia não é o único em parte incerta. Ricardo Abecasis, primo de Ricardo Salgado e chairman do BESA  no período de gestão de Álvaro Sobrinho, nem chegou a ser notificado para comparecer na CPI. Este membro de um dos ramos do clã Espírito Santo chegou a ser contactado por telefone pelo presidente da comissão, Fernando Negrão, mas não se mostrou disponível para colaborar, e desde então nunca mais esteve contactável nem tem morada conhecida.

Outros dois casos pendentes são José Guilherme, o construtor civil que ofereceu 14 milhões a Salgado, e Ana Bruno, advogada com ligações a Angola e ao caso Montebranco. Guilherme alega que está em Angola, doente, pelo que será inquirido por escrito - as perguntas serão enviadas na semana que vem. Ana Bruno, depois de se ter mostrado indisponível para falar na CPI, entregou um atestado médico que coincide com os prazos de funcionamento da comissão. Na próxima quinta-feira Salgado volta à CPI, para uma segunda audição, o que também acontecerá com Carlos Costa e Carlos Tavares (dia 24) e Maria Luís Albuquerque (25). É possível que também Ricciardi ainda possa voltar a ser chamado.