Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Chineses injetam 1,6 mil milhões de euros na angolana Sonangol

O financiamento chinês servirá para suportar projetos de expansão da empresa petrolífera angolana ao longo de 10 anos.

O Banco de Desenvolvimento da China (BDC) vai conceder um financiamento superior a 1,6 mil milhões de euros à petrolífera estatal angolana Sonangol, conforme acordo assinado hoje em Pequim pelas administrações das duas empresas.

De acordo com informação enviada à agência Lusa, em Luanda, pela Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), o financiamento chinês servirá para "suportar projetos de expansão" da empresa angolana no segmento do petróleo e gás, prevendo uma prevalência de 10 anos.

Este acordo foi rubricado hoje entre o presidente do conselho de administração da Sonangol, Francisco de Lemos José Maria, e do presidente do BDC, Zheng Zhijie, e envolve um crédito de 2 mil milhões dólares (mais de 1,6 mil milhões de euros).

A Sonangol acrescenta que este entendimento "abre fortes perspetivas para outros financiamentos de longo prazo", atendendo às apostas futuras da empresa estatal angolana, que em 2015 iniciará a construção da refinaria do Lobito, e que já este ano arrancou com projetos de prospeção de gás natural.

A petrolífera estatal angolana recorda que o BDC é a maior instituição financeira da China, em termos de cooperação com o exterior e particularmente no que diz respeito à concessão de créditos.

O financiamento do banco chinês à economia angolana arrancou em 2008. Em contrapartida, Angola é o segundo maior fornecedor de petróleo da China.

No caso da Sonangol, a empresa recorda que os financiamentos do BDC "têm permitido a realização de projetos de grande monta na exploração de petróleo bruto, refinação e logística".

Angola é o segundo produtor de petróleo da África subsaariana e prevê ultrapassar em 2015 os 1,83 milhões de barris diários.

Em 2013, segundo dados do Ministério das Finanças, o petróleo representou 76 por cento das receitas fiscais angolanas.