Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Carlos Gomes da Silva será o próximo presidente da Galp Energia

  • 333

Carlos Gomes da Silva, membro do conselho de administração da Galp Energia desde 2007, vai liderar a empresa nos próximos quatro anos.

Carlos Gomes da Silva foi o escolhido para liderar a Galp Energia nos próximos quatro anos, comunicou este domingo ao mercado o presidente do conselho de administração da petrolífera portuguesa, Américo Amorim.

"Pretendo propor que a liderança da equipa executiva caiba ao Eng. Carlos Gomes da Silva, que anteriormente exerceu várias funções diretivas na Galp Energia e é seu administrador executivo desde 2008, profissional com profundo conhecimento da empresa e dos seus negócios, com capacidade e experiência que asseguram a qualidade de gestão e o compromisso com a continuidade da estratégia e as prioridades da Galp Energia", lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Na sexta-feira, o atual presidente executivo, Manuel Ferreira de Oliveira, informou não estar disponível para voltar a integrar os órgãos sociais da companhia, que liderava desde 2007. Também o vice-presidente da Galp Energia, Luís Palha da Silva, um dos nomes referidos pela imprensa como forte candidato à liderança da petrolífera, comunicou a indisponibilidade para um novo mandato.

Engenheiro eletrotécnico e de computadores, Carlos Gomes da Silva é membro do conselho de administração da Galp Energia desde 2007, justamente sob proposta do grupo Amorim, sendo responsável pelo segmento de gás, e é, ao mesmo tempo, administrador da Amorim Energia e da Amorim Investimentos Energéticos. 

Na mensagem ao mercado, Américo Amorim destaca que o próximo mandato (2015-18) será "um período de crescimento ímpar dos negócios, com especial enfoque nas atividades de exploração e produção petrolífera", prometendo que continuará "a assegurar o acompanhamento da estratégia orientada por uma gestão sã, prudente e geradora de valor".

"É assim com redobrada confiança que encaro os desafios da Galp Energia nas suas atividades regionais e internacionais, desenvolvidas por uma nova liderança e uma equipa executiva renovada", manifesta o empresário na comunicação ao mercado.

Na assembleia geral de 16 de abril, os acionistas da Galp vão eleger os órgãos sociais para os próximos quatro anos, aprovar as contas relativas a 2014 e pronunciar-se sobre a remuneração acionista.

A empresa propôs o pagamento de um dividendo de 35 cêntimos por ação referente ao exercício de 2014, ano em que o resultado líquido da petrolífera aumentou 20%, para 373 milhões de euros. Na sexta-feira, os títulos da Galp Energia fecharam a ganhar 4,45% para os 10,35 euros.