Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Camionistas decidem se avançam para greve

Entre outras reivindicações, camionistas contestam portagens nas SCUT e deixam em aberto a possibilidade de repetirem o cenário do bloqueio de junho de 2008. 

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment=" /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Tahoma; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:1627421319 -2147483648 8 0 66047 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} "> <#comment comment="[if gte mso 10]>

Os associados da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) reúnem-se amanhã, sábado, para decidir se avançam com uma greve para contestar a situação do setor, numa altura em que já é certa a introdução de portagens nas SCUT. 

A 27 de março, os associados da ANTP decidiram dar um mês ao Governo para responder às revindicações do setor, entre as quais as portagens nas autoestradas sem custos para o utilizador (SCUT), deixando em aberto a possibilidade de repetirem o cenário do bloqueio de junho de 2008. 

Na altura, os associados da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas reivindicaram ao Governo a aplicação da diretiva comunitária que permite a redução de oito cêntimos no litro do gasóleo, a alteração da lei das contraordenações, a não introdução de portagens nas SCUT, a redução em 50% do custo das autoestradas à noite e a alteração do Código do Trabalho.

Desde então, têm decorrido reuniões com o Governo com o objetivo de discutir estas reivindicações. Quase um mês depois, os associados da ANTP voltam a reunir-se em Rio Maior, já com a certeza que a partir de julho serão cobradas portagens nas SCUT. 

Portagens nas SCUT é "teimosia política"

No encontro, agendado para as 15h de sábado, a possibilidade de uma greve será uma das formas de luta que estará em cima da mesa, avança à Lusa o secretário geral da associação, António Lóios. A introdução de portagens na SCUT "é uma teimosia política e seguramente que os transportadores irão dar uma resposta adequada", afirma António Lóios. 

No que respeita à formação profissional, o secretário geral da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas diz que não existiram respostas do Governo e avança que "há uma tentativa clara de dar o monopólio da formação a uma entidade". 

Quanto à aplicação de gasóleo verde aos aparelhos de refrigeração instalados nos veículos frigoríficos, António Lóios afirma que a medida "ainda não está regulamentada", pelo que "continua a ser conversa fiada". 

"Todos os instrumentos que estão a ser montados vão no sentido de criar cada vez mais constrangimentos às empresas", diz o secretário geral da ANTP, sublinhando que o futuro para os transportadores "é profundamente negro". 

A greve de junho de 2008 teve origem numa reunião de camionistas na Batalha para protestar contra a subida do preço do gasóleo. 

***Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo Ortográfico***