Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Economia

Caixa garante direitos de voto na Cimpor

  • 333

A estatal Caixa garante que é detentora de 9,6 % do capital social da Cimpor e dos direitos de voto correspondentes.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) afirmou hoje que detém 9,584% do capital social da Cimpor e da plenitude dos direitos de voto associados.  

 

"A Caixa Geral de Depósitos esclarece que é detentora de 9,584% do capital social da Cimpor e da plenitude dos direitos de voto associados, tal como comunicado ao mercado no dia 16 de Fevereiro de 2009", disse fonte oficial do banco estatal.  

 

A comunicação surge na sequência da ter esclarecido que é detentora dos direitos de voto correspondentes aos 9,584% do capital da Cimpor que vendeu à Caixa Geral de Depósitos (CGD) em 2009, ficando o banco estatal sem direitos de voto.  



Direitos de voto imputáveis à Investifino 

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Investifino, sociedade do empresário Manuel Fino, afirma que desde 16 de Fevereiro de 2009, quando vendeu 9,58% do capital da Cimpor à CGD, lhe são "imputáveis um total de aproximadamente 20,259 dos direitos de voto" na cimenteira portuguesa.  

 

A Investifino diz ainda que "não existe qualquer acordo" com a CGD relativamente ao exercício dos direitos de voto inerentes às acções alienadas no ano passado.

 

Ou seja, a CGD controla 9,6% da Cimpor, mas não tem poder de decisão em Assembleia-Geral.   

 

A 16 de Fevereiro de 2009, a CGD comprou 9,58% da Cimpor ao empresário Manuel Fino a um preço muito superior ao da cotação em bolsa, pagando 62 milhões de euros a mais.  



Disputa entre CNS e Camargo Corrêa

O esclarecimento da Investifino surge numa altura em que a Cimpor é objecto de cobiça por parte dos grupos brasileiros Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e Camargo Corrêa.    

 

A CSN lançou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a totalidade do capital da Cimpor, enquanto a Camargo Corrêa apresentou à cimenteira portuguesa uma proposta de fusão.   

 

A CMVM obrigou a Camargo Corrêa a retirar a sua proposta ou a apresentar uma OPA concorrente à da CSN.