Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Barroso diz que nenhum país abandona a moeda única

O presidente da Comissão Europeia defende que o reforço da integração entre os Estados membros vai tornar a União Europeia mais forte. Em entrevista à CNN, o líder europeu garantiu que não há saídas da moeda única.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse hoje que nenhum Estado membro da zona euro vai abandonar a moeda única, numa entrevista à cadeia de televisão CNN.

"O problema não é tanto o euro enquanto divisa, o problema é, temos que admitir - e nós não estamos complacentes sobre isso - as diferentes posições fiscais e os diferentes níveis de competitividade entre alguns membros da união monetária", disse Durão Barroso, entrevistado no programa Global Public Square, da cadeia de televisão norte-americana.

Questionado, durante a entrevista, se nenhum país vai abandonar o euro, Barroso respondeu: - "Exatamente".

Mercados receiam incumprimento grego

Os mercados financeiros globais receiam o incumprimento grego ou a reestruturação da dívida do país (que só tem verbas até outubro) que terá, como uma possível consequência, o abandono da Grécia da zona euro.

O presidente da Comissão disse ainda acreditar que o reforço da integração entre os Estados membros vai tornar a União Europeia (UE) mais forte, na próxima década.

"Estamos a avançar, em termos de integração. Na Europa, ninguém está a discutir a direção futura, só quão rápida e até que ponto é que essa integração de ir. E já tomámos medidas muito importantes nessa direção", afirmou Barroso.

Europa é potência emergente

Na quarta-feira, Durão Barroso faz o discurso do Estado da União, enquanto o Parlamento Europeu se prepara para aprovar o pacote das seis medidas de governação da zona euro, uma das quais dá novos poderes à Comissão Europeia para agir quando os Estados membros estejam a prosseguir políticas orçamentais e macroeconómicos pouco sustentáveis, através de mecanismos de prevenção e correção de desequilíbrios macroeconómicos excessivos, que incluem a possibilidade de sanções.

"Daqui a dez anos, a Europa estará mais forte", referiu Barroso.

"Se de facto há uma nova potência emergente, no mundo, essa potência é a Europa, porque antes éramos países europeus, que não estavam unidos (...) A Europa é, de facto, mais forte hoje do que era há cinco ou dez anos", acrescentou.