Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Axa Portugal avança com despedimento coletivo

  • 333

Um dos argumentos dados pela empresa baseia-se em problemas relativos à avaliação de desempenho dos trabalhadores. Já foram afastados quatro gestores de topo da companhia.

Pedro Santos Guerreiro e Isabel Vicente

A Axa Portugal vai despedir 67 trabalhadores. Esta situação decorre do facto de a empresa estar num processo de reestruturação profundo, abdicando inclusive de algumas áreas de negócios. 

Já foi pedida uma reunião de urgência à Axa Portugal pelo Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Seguradora, avançou o presidente do sindicato, Carlos Marques. "É a primeira vez que o sector se depara com despedimento com esta dimensão e com estes contornos", sublinhou. Carlos Marques adiantou no entanto que o sector dos seguros tem estado a reduzir o número de trabalhadores, mas sem recurso ao despedimento coletivo. O sector tinha 15 mil trabalhadores em 2000, atualmente tem cerca de 10.400.

Segundo apurou o Expresso, a empresa está a focalizar o modelo de negócio nos particulares e pequenas empresas, saindo do segmento de grandes empresas em algumas áreas de atividade.  

Um dos argumentos dados pela empresa aos funcionários para o despedimento coletivo baseia-se no encerramento de pontos de venda e problemas relativos à avaliação de desempenho dos trabalhadores.  

Esta reestruturação tem estado a ser feita por Violeta Ciurel, administradora delegada e presidente do conselho executiva da Axa Portugal, após a saída do gestor português João Leandro para o grupo no Brasil, que entretanto também já saiu. 

Da gestão de topo da Axa Portugal foram afastados, há já alguns meses, vários membros da administração, entre os quais o administrador financeiro, apurou o Expresso. A Axa tem cerca de 600 trabalhadores em Portugal, adianta Carlos Marques.

Indicadores da Axa Portugal

Em 2014, a Axa Portugal geriu um volume de negócios de 410 milhões de euros. No segmento Vida, a companhia cresceu 3,7% face a 2013, para 128 milhões de euros.

Já no segmento Não Vida verificou-se um decréscimo de 3% no volume de negócios, para 283 milhões de euros, para a qual contribuíram nomeadamente os ramos automóvel e acidentes de trabalho. Já na área dos seguros de saúde, a Axa Portugal apresentou um crescimento de 5% face a 2013.