Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Álvaro Sobrinho, que faz "parte de uma família com posses", recusa falar sobre os seus salários

"Faço parte de uma família angolana com posses", disse Álvaro Sobrinho aos deputados

Luís Barra

Interrogado sobre os rendimentos auferidos como administrador do BESA, afirmou não se lembrar e questionou a "relevância" da questão, que considerou ser do seu "foro pessoal".

Anabela Campos e Isabel Vicente

"Não lhe vou responder a essas questões, do meu foro pessoal, mas a senhora deputada também não me perguntou como eu vivia antes. Faço parte de uma família angolana com posses. Não vim estudar para Lisboa com bolsa. Os meus pais compraram uma casa em Cascais e deram-me um carro", disse esta tarde Álvaro Sobrinho, antigo presidente do BES Angola, na comissão parlamentar de inquérito ao caso GES/BES.

Na reação às questões da deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, sobre o montante do seu rendimento mensal, que lhe perguntara como é que um homem com um salário bruto mensal de 54 mil a 87 mil euros no ESAF (empresa gestora de fundos de investimento) até 2001 e de dois milhões anuais brutos a partir de 2002, como administrador do BESA, conseguia ser proprietário de um tão vasto património. Sobrinho afirmou  não se recordar e duvidou da "relevância" da matéria.

Questinado novamente pelo deputado socialista Pedro Nuno Santos, sobre a importância da comissão ter dados sobre património, Álvaro Sobrinho diz apenas " não quero ter uma percepção errada de estar nesta comissão...". Mas sublinha que quando foi para o BES " não era um mero empregado, pertencia a uma família que tinha  bens". E remata : "não aceito que se faça juízos de valor ...".   

"Terei gosto em responder, quando estas questões forem feitas a todas as pessoas que por aqui passarem nesta comissão", acabou por dizer o ex-presidente do BES Angola (BESA).

Álvaro Sobrinho é da família Madaleno, considerada uma boa família em Angola, na opinião de Ricardo Salgado, ex-presidente do BES.

O gestor angolano assegurou ainda que não tem contas congeladas na Caixa Geral de Depósitos, conforme foi noticiado.