Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

'Agilização', 'contexto' e 'reestruturação'. As justificações da Axa para o despedimento coletivo

  • 333

Empresa anunciou o despedimento de 67 trabalhadores. Em declarações ao Expresso, pormenoriza as razões da decisão e precisa quais são os planos para Portugal.

Isabel Vicente

A Axa Portugal justifica o despedimento coletivo de 67 trabalhadores devido ao difícil contexto económico e emagrecimento da atividade seguradora. "Como é do conhecimento comum, o contexto económico difícil em Portugal nos últimos anos provocou um claro declínio da rentabilidade do mercado segurador português", adianta ao Expresso.  

A empresa refere ainda que "está a tomar um conjunto de medidas de gestão, ao nível da reestruturação da distribuição e da agilização do modelo organizativo (mais transversal e menos hierárquico) e de processos, que afetará cerca de 60 pessoas, equivalente a cerca de 10% do total dos colaboradores da empresa". Acrescenta também que "irá assegurar um plano individual de apoio adequado a cada colaborador, avaliando todas as possibilidades, com o suporte de uma empresa de outplacement".  

Presidida por Violeta Ciurel, desde a saída de João Leandro em fevereiro de 2014, a seguradora francesa afasta a sua saída de Portugal. "Claramente não." E precisa: "O objetivo da AXA é permanecer em Portugal e continuar a operar de forma independente, daí a necessidade de adaptar a empresa à nova realidade de mercado, com foco numa estratégia de sustentabilidade que permita restaurar uma estabilidade saudável do negócio, melhor servir os clientes locais e restaurar o desenvolvimento e crescimento sustentável do negócio em Portugal".   

A empresa confirma que a decisão de despedir os trabalhadores foi transmitida esta terça-feira aos trabalhadores e aos representantes legais.   

E faz questão de sublinhar que a "AXA Portugal mantém todos os seus compromissos com o mercado segurador português e com os seus principais stakeholders - clientes, parceiros, distribuidores e colaboradores -, prosseguindo a sua missão de proteger pessoas".