Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

São João trata com menos dinheiro mais doentes que o Santa Maria

Rui Duarte Silva

Doente padrão custa menos 348 euros ao Estado no Hospital de São João, no Porto, do que os 2923 euros gastos pelo Hospital de Santa Maria, em Lisboa

O Centro Hospitalar Lisboa Norte – que inclui os hospitais de Santa Maria e o Hospital Pulido Valente – gastou por doente padrão 2923 euros, enquanto no Centro Hospitalar São João – Hospital de São João e Hospital de Nossa Senhora da Conceição – este custo se situou nos 2575.

Esta é uma das conclusões de uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) à gestão dos dois centros hospitalares, entre 2014 e 2016, que revela que o Centro Hospitalar São João tem melhor desempenho do que o Centro Hospitalar Lisboa Norte.

“Se o Centro Hospitalar Lisboa Norte alcançasse custos por doente padrão iguais aos do Centro Hospitalar de São João teria obtido, no triénio, uma poupança 211 milhões de euros nos respetivos custos (87 milhões em 2014, 77 milhões em 2015 e 47 milhões em 2016), valores suficientes para o Estado financiar, aos preços atualmente praticados, a realização de três milhões de consultas externas ou o tratamento de 30 mil utentes com hepatite C2”, menciona o relatório do TC.

Porém, este organismo salienta que “as diferenças entre os dois centros hospitalares têm vindo a diminuir, pelo crescimento dos custos unitários no Centro Hospitalar de São João e pelo decréscimo no Centro Hospitalar Lisboa Norte”.

A principal pressão sobre os custos por doente padrão em Lisboa são os medicamentos. “A maior diferença de custos unitários entre as duas unidades hospitalares verificou-se nos medicamentos por doente padrão, superior, no Centro Hospitalar Lisboa Norte em 60% (mais 333 euros), em 2014 e em 38% (mais 243 euros), em 2016”.

Mais cuidados de Saúde em São João

Em termos de eficiência operacional, o Centro Hospitalar de São João é melhor, seja na atividade do internamento, no funcionamento do bloco operatório, ou na utilização dos equipamentos médicos pesados, como os de ressonância magnética ou os aceleradores lineares.

“No internamento, o Centro Hospitalar Lisboa Norte apresentou menores taxas de ocupação das camas, embora se verifique uma melhoria do indicador no triénio. Acresce que a rotação dos doentes é mais rápida no Centro Hospitalar de São João, facilitada pela mais atempada referenciação dos doentes para outras entidades após alta dos cuidados agudos”, refere o relatório, acrescentando que a nível de cuidados em ambulatório São João também tem melhores indicadores. “A taxa de ambulatorização da atividade [total dos procedimentos feitos em regime de ambulatório face ao total de cuidados prestados pelo hospital] também foi superior no Centro Hospitalar de São João, permitindo a libertação de camas de internamento para os casos que o exigem”.

O mesmo acontece com as cirurgias. “A utilização da capacidade instalada no bloco operatório foi superior no Centro Hospitalar de São João, com um maior aproveitamento dos períodos da tarde e dos fins de semana: em 2016, 43% das cirurgias programadas foram iniciadas após as 14 horas (24% no Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE) e 8% foram realizadas ao fim de semana (5% no Centro Hospitalar Lisboa Norte).

Embora Lisboa Norte tenha mais médicos, a sua gestão não foi tão eficaz como em São João. “Os recursos humanos médicos foram, globalmente, utilizados de forma mais eficiente no Centro Hospitalar de São João”. Apesar de serem em menor número (1 437 versus 1 495 em 2014 e 1 471 versus 1 513 em 2015), os médicos do Centro Hospitalar de São João atenderam, em média, um número superior de doentes padrão nestes dois anos. E “a diferença é particularmente significativa no número de cirurgias realizadas por médico”.

No Norte do país, os doentes também esperam menos tempo pela realização de consultas e de cirurgias.