Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Cartão de pagamento sem contacto é mais seguro, garante Banco de Portugal

AMELIE-BENOIST / BSIP / UIG / Getty Images

Banco de Portugal sublinha que a tecnologia “contactless” é vantajosa para o consumidor, “uma vez que lhe facilita fazer pagamentos sem que o cartão saia da sua mão”

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Os cartões de pagamento sem contacto (“contactless”) têm uma tecnologia que “oferece maior segurança ao titular do cartão e maior proteção contra tentativas de fraude”, garante o Banco de Portugal numa nota divulgada esta terça-feira, com informação sobre como funcionam aqueles cartões.

O Banco de Portugal sublinha que a tecnologia “contactless” é vantajosa para o consumidor, “uma vez que lhe facilita fazer pagamentos sem que o cartão saia da sua mão e sem que tenha de inserir o seu código pessoal em público”.

Com este tipo de cartões, após o comerciante introduzir o valor de uma compra, o consumidor apenas tem de aproximar o seu cartão a uma distância inferior a quatro centímetros do terminal de pagamento, o qual não será usado para quaisquer outras transações até que esse pagamento fique concluído.

“Adicionalmente, os emissores de cartões definiram um conjunto de elementos de controlo para garantir a segurança destes cartões: um montante máximo por transação contactless e um limite de pagamentos consecutivos contactless”, aponta o Banco de Portugal.

Segundo o supervisor, por norma cada transação com estes cartões está limitada a 20 euros, com um máximo de três transações consecutivas. Após esse limite, o consumidor terá de fazer pelo menos um pagamento inserindo o PIN para voltar a fazer transações sem o código.

Mas, nota ainda o Banco de Portugal, poderá ser solicitado o PIN do cartão nos pagamentos contactless. “Não fique surpreendido se isso lhe acontecer: trata-se apenas de uma medida de segurança adicional aplicável a este tipo de transações”, refere a entidade de supervisão, cuja nota sobre os pagamentos “contactless” pode ser consultada no site do Banco de Portugal.