Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fundo de Resolução com buraco de 5,1 mil milhões em 2017

Fundo de Resolução piora contas de 2017. O total do passivo aumentou de 5 mil milhões em 2016 para 5,7 mil milhões de euros em 2017, por causa do Novo Banco

O Fundo de Resolução, presidido pelo vice-governador do Banco de Portugal, Luís Máximo dos Santos, fechou o ano de 2017 com recursos próprios negativos de 5,1 mil milhões, o que compara com uma situação negativa de cerca de 4,76 mil milhões de euros.

O Fundo apresentou um resultado líquido negativo de 104 milhões de euros. Estes prejuízos refletem os juros pagos pelos empréstimos para o financiamento da resolução aplicada ao BES e das medidas de resolução aplicadas ao Banif, assim como “o pagamento de comissões ao Estado num montante total de 7 milhões de euros pela contragarantia relativa à emissão de obrigações da Oitante e pela abertura de crédito (ainda não utilizado) para financiamento do Fundo de Resolução”, como refere o relatório e contas do Fundo de Resolução esta quinta-feira disponibilizado no site do fundo.

O total do passivo do Fundo que ficou com 25% do capital do Novo Banco em outubro agravou-se em 700 milhões de euros, de 5 mil milhões de euros em 2016 para 5,7 mil milhões de euros em 2017 por causa da provisão de 792 milhões de euros fez por conta do mecanismo de capitalização contingente. Ou seja, quando em outubro o Fundo vendeu 75% do capital do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star não recebeu nada pela venda, tendo o comprador apenas de injetar 1000 milhões de euros no banco. Mas como já era expectável que houvesse uma injeção de capital por parte do Fundo relacionada com a utilização do mecanismo de capitalização contingente, foi feita uma provisão nas contas de 2017 só utilizada este ano.

Do lado do ativo o Fundo regista um aumento por via da posição de 25% que tem no Novo Banco e que equivale a 333 milhões de euros, o que face a 2016 faz com que o ativo suba de 272 milhões de euros para 642,9 milhões de euros em 2017. Porém como o ativo subiu menos do que o passivo os capitais próprios ficaram ainda mais negativos.