Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Preços dos alimentos devem manter-se na próxima década

ENRIQUE MARCARIAN/REUTERS

Nas previsões hoje divulgadas em Paris, pela FAO e pela OCDE, a produção cresceu fortemente ao nível das commodities agrícolas e, em 2017, atingiram-se níveis recordes para a maioria dos cereais, em algumas variedades de carne, mas também nos laticínios e no pescado

Após uma década após de picos históricos nos preços dos alimentos em 2007-2008, a situação dos mercados agrícolas mundiais é agora muito diferente.

De acordo com as previsões agrícolas para a próxima década hoje divulgadas em Paris pela FAO – organismo das Nações Unidas para a alimentação e pela OCDE (o Agricultural Outlook 20182027) a produção cresceu fortemente ao nível das commodities agrícolas e, em 2017, atingiram-se níveis recordes para a maioria dos cereais, em algumas variedades de carne, mas também nos laticínios e no pescado, com os níveis de stocks a subir para máximas históricos. Ao mesmo tempo, o crescimento da procura começou a dar sinais de abrandamento.

No relatório hoje divulgado, é referido que na última década muito do ímpeto da procura de alimentos foi impulsionado pela China, mas que agora essa procura está a desacelerar e que, mesmo com novos focos de procura à escala global, não se voltará tão cedo aos níveis de crescimento da procura registados nos últimos dez anos. Por isso mesmo os preços das commodities agrícolas devem permanecer baixos.

Os altos níveis atuais de armazenamento à escala mundial também tornam improvável uma recuperação da procura nos próximos anos. “Espera-se que o enfraquecimento do crescimento da procura persista ao longo dos próximos dez anos”, sublinham os responsáveis da FAO.

O crescimento da população a nível mundial vai continuar a ser o principal motor do crescimento do consumo de alimentos, apesar de se esperar uma estabilização dos níveis de consumo per capita a nível global. “Isso será mais evidente para alimentos básicos, como cereais, raízes e tubérculos, em que os níveis de consumo estão próximo da saturação em muitos países. Por outro lado, o crescimento da procura de produtos à base de carne é poderá desacelerar”, especialmente devido à variação regional – à escala global – do rendimento disponível das famílias.

No entanto, a procura de produtos de origem animal, como os laticínios, deve conhecer uma expansão rápida na próxima década.