Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Em 35% dos hotéis portugueses não se pode fazer reservas online

KIRILL KUDRYAVTSEV / AFP / Getty Images

Nova plataforma Click2Portugal vai agregar todos os hotéis portugueses e tem por objetivo suprir as fragilidades do sector, num país onde 7% dos hotéis ainda não tem qualquer presença na internet

Está tecnicamente finalizada, e vai estar disponível a partir de setembro, a Click2Portugal, uma plataforma agregadora de toda a oferta de hotéis em Portugal (www.click2portugal.com). Trata-se de um projeto lançado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que visa suprir as fragilidades identificadas nos hotéis nacionais a nível do digital.

Segundo um diagnóstico da AHP, entre os 1511 estabelecimentos hoteleiros que existem em Portugal, cerca de 7% (105 hotéis) não têm sequer website. "Como é possível este número ser tão elevado? É como se os hotéis não existissem, estão literalmente fora do mundo", considera Cristina Siza Vieira, presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

Acresce-se que dos restantes 1406 hotéis que têm presença online, cerca de 30% não tem motor de reservas. "Chega-se lá, é tudo muito bonito, mas ninguém consegue fazer reservas", nota a responsável da AHP.

Do total de 426 hotéis nacionais que não têm motor de reservas, cerca de 40% não oferece aos clientes qualquer possibilidade de comprar noites via 'online' (nem sequer através do preenchimento de formulários, por exemplo), "e só se consegue ficar lá à moda antiga, isto é, telefonando", como faz notar Cristina Siza Vieira.

Com o objetivo de "criar um standard digital elevado" para os hotéis nacionais, e sobretudo "que possa ser convertido em receitas", a AHP têm em desenvolvimento desde 2016 o projeto de uma plataforma agregadora de toda a oferta nacional a nível de hotéis e empreendimentos turísticos, a Click2Portugal.

Constatando que o mundo online na hotelaria é dominado por plataformas como a Booking ou a Expedia, a associação hoteleira enfatiza aqui a importância do canal direto em termos de vendas, verificando que "ainda é fraco na hotelaria portuguesa". Com a plataforma Click2Portugal, "mais do que dar o peixe ou ensinar a pescar, é preciso dar a cana de pesca aos hotéis", exemplifica a presidente executiva da AHP.

A associação hoteleira frisa ainda que o novo site www.click2portugal.com não é diretamente comparável a uma plataforma como a Booking, uma vez que não funciona como venda direta e cobrando taxas sobre essas vendas aos hotéis. Mas acaba por ser uma espécie de 'Booking português', ao reunir toda a oferta hoteleira nacional (permitindo vendas por reencaminhamento a cada unidade), tendo o objetivo assumido de ser uma ferramenta de distribuição e de marketing digital alternativa a plataformas como a Booking, e para os hotéis não ficarem dependentes de um único canal de distribuição.

"Desde o início que consideramos o projeto Click2Portugal estratégico para a hotelaria nacional pela rentabilidade que pode trazer", garante Raul Martins, presidente da AHP, frisando que "o digital é o presente e o futuro é quem não está no online, não está no mundo".