Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

EDP prevê para este ano lucro em torno de 800 milhões de euros

Luis Barra

A EDP sofreu no primeiro trimestre os efeitos de uma regulação mais apertada em Portugal, que, em conjunto com efeitos cambiais e outros fatores não recorrentes, fez o seu lucro recuar 23%. Ainda assim, o grupo reafirma a projeção de lucro para 2018 que já tinha em março

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A EDP estima fechar 2018 com um lucro em torno de 800 milhões de euros e um EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 3,4 mil milhões de euros, indica a empresa na apresentação dos resultados trimestrais que enviou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Os valores estão praticamente em linha com os já projetados em março, após a divulgação das contas de 2017. Nessa ocasião a EDP mostrou concordar com a média das projeções dos analistas financeiras, que apontavam para 2018 um lucro de 770 milhões de euros e um EBITDA de 3,42 mil milhões.

Entretanto, os resultados do primeiro trimestre de 2018, além de terem tido efeitos cambiais adversos e de já não contarem com as receitas da distribuição de gás na Península Ibérica (negócios vendidos em 2017), foram particularmente penalizados pelo contexto regulatório mais apertado em Portugal.

A EDP contabilizou uma provisão de 24 milhões de euros resultante da fixação de um ajustamento final dos CMEC (Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual) abaixo do que era a estimativa da elétrica. E também reportou perdas nas receitas da distribuição de eletricidade, bem como em algumas rubricas de receita na produção de eletricidade, devido a alterações legislativas do atual Governo.

Apesar da pressão do primeiro trimestre, cujo lucro baixou 23% face ao ano passado, a EDP mantém-se convicta de que 2018 será pautado por uma normalização dos volumes hídricos (uma das suas principais fontes de produção de eletricidade).

A EDP prevê para este ano ao nível do EBITDA contributos positivos da produção hídrica e da procura de eletricidade, bem como uma maior eficiência operacional na Península Ibérica, mas admite que em Portugal e Espanha as receitas reguladas da distribuição de eletricidade continuarão com sinal negativo.

Por outro lado, a EDP espera contributos positivos para o EBITDA resultantes do crescimento da capacidade instalada da EDP Renováveis e da melhoria do negócio no Brasil, além de prever um melhor resultado financeiro (com uma dívida mais baixa e também juros mais reduzidos). Mas durante 2018 o grupo conta também um impacto negativo das variações cambiais.

  • Lucro da EDP no primeiro trimestre baixou 23%

    A elétrica lucrou 166 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, com um resultado penalizado por efeitos cambiais e pela venda do negócio de distribuição de gás na Península Ibérica, que ocorreu no final do ano passado