Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Porto: A cidade que ainda é um “diamante por lapidar”

Renovação da Rua das Flores é uma das principais faces do turismo na Invicta

Rui Duarte Silva

A transformação da Invicta esteve em discussão no XV Encontro Fora da Caixa

O “velho casario que se estende até ao mar”, imortalizado na voz de Rui Veloso é a imagem de marca de um Porto que atrai mais turistas do que nunca mas também suscita as preocupações de quem acredita que a cidade pode estar a perder o carácter único. Questões transversais a muitos destinos que são cada vez mais relevantes para os habitantes que estão no centro de uma evolução com efeitos negativos e positivos, numa dicotomia que nem sempre é de fácil conjugação.

Para Mário Ferreira, pelo menos uma coisa é certa: “A questão de existirem turistas a mais é um mito!” O CEO do Douro Azul foi um dos convidados do XV Encontro Fora da Caixa (organizado pela Caixa Geral de Depósitos com o apoio do Expresso) como parte do ciclo de conferências que tem percorrido o país há mais de um ano e, desta vez, no dia em que o banco celebrava o 142º aniversário. O Porto “tem muito por onde crescer”, garante o empresário no auditório da ordem dos Contabilistas Certificados, palco do evento numa altura em que a Invicta tem sido um dos rostos mais visíveis do boom turístico que Portugal atravessa.

Quem chega à Baixa, segundo Mário Ferreira, só olha para os eixos renovados como a Rua das Flores. “Porque se avançarmos para as segundas ou terceiras linhas, há muita coisa abandonada, com ratos.” O que faz o empresário acreditar que “investir na baixa não é especular. Não há bolha ainda”. A recuperação de parte da alta urbana do centro é algo que parecia quase impossível há uns anos, quando Mário Ferreira começou a vender o Porto como um destino único e porta de entrada para uma zona a explorar. “Em todas as voltas ao mundo que dei, não encontrei cidade que me atraísse como esta. Achava que era um diamante por lapidar. Ninguém acreditava, foi muito difícil.”

Menos ainda quando Adrian Bridge veio pela primeira vez a Portugal em 1982. O CEO da The Fladgate Partnership nota uma grande alteração numa zona em que a construção de “melhores acessibilidades” contribuíram muito para o crescimento. É preciso dar agora o próximo passo para aguentar o fluxo de pessoas e, fazendo uso da tradução do seu nome, “construir mais pontes”. Não só de parcerias, mas também físicas até porque “o trânsito tem que ser resolvido” para sustentar o “rejuvenescimento da cidade”.

Efeitos que não são exclusivos dos maiores centros urbanos e que também se manifestam no interior, onde a desertificação cria um ambiente propício a um possível aproveitamento turístico indevido. “O Estado deve criar condições para que haja mais investimento e emprego”, alertou Jorge Coelho num “Quadratura do Círculo” especial gravado no evento. A discussão à volta do encerramento de balcões da CGD foi mesmo um dos exemplos colocados em cima da mesa, com António Lobo Xavier a considerar que “o acesso a serviços bancários” não é um dos principais problemas da população, ao passo que Pacheco Pereira vincou que a banca pública “tem obrigações diferentes.”

Falta visão
O espaço disponível, com utilização mais turística do que residencial, é um dos principais pontos de discórdia no tópico dos efeitos do turismo. “O problema não é o lado bom mas sim o lado negro da ocupação”, segundo Manuel Aires Mateus. “Estas vagas recuperaram a cidade e o território. Esse é o lado benéfico. Agora uma pessoa mais nova não tem qualquer hipótese de viver no centro da cidade. E isso é o lado trágico”, atira.

“É muito importante olhar para a cidade como um somatório de condições” que agregue as “dimensões humana e física”. O que acontece habitualmente é que as urbes “são geralmente muito reacionárias quanto ao território”, com uma ausência de “visão de futuro.” Se é “claro que “estamos perante um problema que tem que ser enfrentado”, o arquiteto duvida que tal seja tarefa principal “dos actores do turismo.” Trata-se de uma responsabilidade de regulação que deve recair sobretudo sobre as entidades públicas para que as cidades não se “transformem em museus onde ninguém (ou só quem é rico) vive, como Veneza”.

Manuel Aires Mateus (ao centro) esteve presente no painel sobrecidades e empreendedorismo que contou com Mário Ferreira (à dir.) e moderação de Henrique Monteiro (de costas)

Manuel Aires Mateus (ao centro) esteve presente no painel sobrecidades e empreendedorismo que contou com Mário Ferreira (à dir.) e moderação de Henrique Monteiro (de costas)

NUNO FOX

O Prémio Pessoa 2018 classifica o cenário de “nos mandarem para fora” como uma possibilidade que já foi mais descabida. Por isso deixou o repto para que os responsáveis não “sucumbam às visões sectoriais” e que não continuem a proliferar num sistema “altamente burocrático” que permite quando não devia permitir e vice-versa. Onde ao invés da “transparência e cumprimento de regras” existe, muitas vezes, o “medo de tomar decisões”, nas palavras de Má- rio Ferreira. Podem ser obstáculos a um aproveitamento eficaz do turismo como forma de “trazer mais pessoas para trabalhar” e recuperar zonas do Porto que estão afastadas dos principais roteiros de visita. Como lembrou Manuel Aires Mateus: “O turismo é sempre bom. Empreendedorismo é sempre bom. Não podemos é descaracterizar o que temos”.

O futuro da economia: As críticas de Daniel Bessa

Medíocre. Foi o adjetivo mais usado por Daniel Bessa para se referir ao contentamento “hiperbólico” em relação à situação económica atual, que passa a imagem de nos “contentarmos com poucochinho.” O antigo ministro da Economia aproveitou a sua intervenção no XV Encontro Fora da Caixa para tecer duras críticas à política do Governo e, especificamente, às opções de Mário Centeno e ao panorama que traçou num artigo assinado esta semana pelo governante no “Público”. Entre os principais pontos de discórdia está a subida do emprego que, nos 3,6%, se encontra acima dos 2,7% de crescimento do PIB. Motivo de regozijo para o ministro das Finanças, que na opinião de Daniel Bessa só demonstra que “a produtividade não está a crescer”. Por outras palavras, “quando a economia está numa situação equilibrada não é preciso mais gente a trabalhar para produzir mais”. Se “o emprego é um problema de curto prazo que desvaloriza o longo prazo”, então, garante o economista, “o futuro é o grande ausente da economia em Portugal”. Algo que acontece desde o pico da crise. “Contra toda a racionalidade, é preciso muita fé para acreditar que o Estado pode fazer crescer o mercado”, atirou. A política de impostos foi também alvo de reparos por parte do economista, partindo do exemplo do aumento do IRC para empresas com lucros acima dos €35 milhões. “É uma desvalorização do papel daqueles agentes que podem fazer crescer a economia pelas exportações” numa altura em que se fala “excessivamente do empreendedorismo dos miúdos, das startups”. Daniel Bessa acrescenta que o crescimento nas exportações (cerca de 40% do PIB) representa “a maior reforma estrutural feita em Portugal” e que “se deve às empresas”. O que só poderemos aproveitar com “um padrão de exigência muito maior”.

Discurso Direto

“O sucesso sustentado implica necessariamente o desenvolvimento de um produto diferenciado e pensar fora da caixa. O turista está aberto a experiências, novas ideias”
Adrian Bridge
CEO da The Fladgate Partnership

“Não existe país democrático sem banco público sólido, que dê confiança. Não conheço nenhum. Portugal correu esse risco até há bem pouco tempo. É com gosto que vejo que essa cascata se inverteu”
Jorge Coelho
Comentador do programa “Quadratura do Círculo”

“As cidades começam por ser confluências de interesses, de uso de um território. Tal como acontece com o Tejo em Lisboa é o Douro que faz o Porto”
Manuel Aires Mateus
Arquiteto, Prémio Pessoa

“O encerramento progressivo de agências tem que ser visto com muita prudência. A Caixa deve oferecer serviços que os outros não providenciam. Os problemas das contas não surgem daí” Pacheco Pereira
Comentador do programa “Quadratura do Círculo”

“Nos últimos anos, os preços e a taxa de ocupação no Porto melhoraram muito. Mas ainda se encontram a anos-luz de certas cidades, como Barcelona ou Veneza. Existe uma grande margem de crescimento”
Mário Ferreira
CEO da Douro Azul

“Não existe nenhum problema de acesso aos serviços bancários. Exigir à Caixa que se desligue da rentabilidade por causa da responsabilidade pública é incorreto”
António Lobo Xavier
Comentador do programa “Quadratura do Círculo”

Textos originalmente publicados no Expresso de 14 de abril de 2018