Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Marca coletiva promove pão tradicional

DR

Mais de 3800 padarias da região Norte vão adotar uma marca comum para promover o consumo de pão tradicional.

A panificação tradicional da região Norte vai adotar uma marca coletiva para se tornar “ainda mais distintiva” e reforçar as “garantias nutricionais e qualidade” do pão “feito ao gosto português, de acordo com receitas ancestrais”.

A iniciativa é da associação industrial do setor (AIPAN), beneficia mais de 3800 padarias (40% do total nacional) existentes a norte de Aveiro e resulta do Congresso do Pão realizado esta semana.

A experiência francesa foi decisiva para a AIPAN avançar com uma marca comum e uma slogan que distingue o pão tradicional da restante oferta, assumindo, segundo o presidente António Fontes, “um compromisso com os valores culturais e gastronómicos, tendo em conta a importância do pão na alimentação”.

O preço da energia

No congresso, os dirigentes associativos ouviram palavras de estímulo e reconhecimento por parte do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral e do secretário de Estado da Saúde, Fernando Araújo. Uma das queixas da indústria é o preço da energia, um dos fatores de maior incidência nos custos operacionais

A marca comum, com uma representação gráfica que remete para um forno tradicional e um pé de trigo estilizado “foi bem acolhida pelos industriais” e poderá ser adotada por outras associações do setor.

Na frente da saúde, a indústria aderiu voluntariamente ao Programa da Alimentação Saudável, reduzindo para 1% a dose de sal no pão. Um “selo de qualidade” certificará as padarias aderentes.

Os nutricionistas defendem o pão como elemento essencial na dieta diária, "combatendo o mito de que o pão engorda”. É um produto “da alimentação saudável”, regista a AIPAN. Os cereais que estão na base da produção são “fonte de quase tudo o que o corpo humano necessita para funcionar adequadamente”.

A indústria de panificação gera uma receita anual de 585 milhões de euros, distribuída por 10260 de unidades na maioria de base familiar e emprega 120 mil trabalhadores. Cada padaria fatura em média 57300 euros. O consumo per capita de pão fresco em Portugal (42 kg) é inferior à média europeia.