Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Horizonte 2020 apoia mais quatro empresas portuguesas

Purificar o ar; aumentar a segurança alimentar; explorar compostos derivados marinhos para desenvolver novos produtos farmacêuticos; cruzar a internet das Coisas com a realidade aumentada e criar uma nova forma de comunicação para a indústria. Estes são quatro projetos de empresas portuguesas que o Horizonte 2020 vai apoiar

A Sea4Us, uma biofarmacêutica especializada na descoberta e no desenvolvimento de novos medicamentos baseados em novos compostos de origem marinha para responder a problemas como a dor crónica, é uma das quatro empresas portuguesas que acaba de se juntar ao grupo de PME inovadoras da União Europeia, apoiadas pelo "Instrumento PME do Programa de Investigação Horizonte 2020".

Para a jovem empresa de Sagres, entrar neste grupo, significa receber 50 mil euros para fazer uma prova de conceito e um estudo de viabilidade ao seu projeto de criação de uma plataforma que aplica abordagens tecnológicas inovadoras na exploração de compostos de derivados marinhos, usados no desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos.

Ao todo, são quatro as empresas portuguesas contempladas, agora, na primeira fase do "Instrumento PME do Programa de Investigação Horizonte 2020", onde se juntam a um grupo de 257 PME, de 31 países, num pacote total de 12,7 milhões de euros.

Braga pontua aqui duas vezes, através da Biomode, com produtos para identificação de agentes patogénicos úteis nas áreas da segurança alimentar, ambiental ou aplicações clínicas, e da Vieira & Lopes Lda, que propõe o desenvolvimento de um módulo de purificação de ar multifuncional, adequado a ambientes sensíveis.

Já o projeto da Glarevision Lda, de Atougia, contempla uma ferramenta para a indústria que cruza a Internet das Coisas com a realidade aumentada para promover uma nova forma de interação e comunicação.

Desde o lançamento deste programa, em 2014, já foram selecionadas 2.873 PME da UE ao abrigo da Fase 1 do Instrumento PME e 79 são portuguesas.

Carlos Moedas, Comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, responsável por este instrumento do Horizonte 2020, sublinha, por isso, que "num espaço de quatro anos, esta Fase do Instrumento PME já financiou 79 PME portuguesas inovadoras, num total de 9,85 milhões de euros".

"Os resultados confirmam que este instrumento é, sem dúvida, uma excelente porta de entrada para as PME portuguesas no Programa Horizonte 2020", sublinhou o Comissário europeu na divulgação da lista das empresas agora beneficiadas.

Certo de que esta é, também, uma forma das PME criarem "novos postos de trabalho, aproveitando a boa formação dos trabalhadores portugueses para trazer mais investimentos e maior crescimento económico ao país", Carlos Moedas deixou um apelo direto aos empreendedores lusos: "É fundamental que estes resultados positivos levem outras PME portuguesas a arriscarem e concorrerem a este instrumento. Só aqueles que participam ativamente e se aventuram nestes programas têm a possibilidade de beneficiar das suas oportunidades".

Nesta fase do Instrumento PME, além dos 50 mil euros para financiar uma prova de conceito e um estudo de viabilidade dos seus projetos, as empresas contempladas têm três dias de formação empresarial (coaching) e serviços gratuitos de formação empresarial.

A próxima data-limite para candidaturas à Fase 1 do Instrumento PME é maio de 2018.