Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lucro da Huawei subiu 28% em 2017

Getty

A fabricante chinesa de telemóveis faturou 77,8 mil milhões de euros no ano passado e lucrou 6,1 mil milhões.

O lucro da Huawei subiu 28,1% em 2017, face ao ano anterior, para 47.500 milhões de yuan (cerca de 6.130 milhões de euros, à taxa de câmbio atual), anunciou hoje a fabricante de telemóveis chinesa.

Este resultado foi obtido num ano em que as receitas cresceram a um ritmo inferior ao registado nos últimos quatro exercícios e em que se assistiu a uma otimização dos custos e a uma melhoria da gestão dos componentes dos seus terminais.

Em conferência de imprensa na sua sede em Shenzhen, cidade da província de Cantão conhecida como a 'Silicon Valley' da China, a empresa adiantou que a faturação atingiu 603.600 milhões de yuan (77.852 milhões de euros) no ano passado, o que representa uma subida de 15,7%, o menor crescimento dos últimos quatro anos.

“A otimização dos custos e operações contribuíram para o lucro, assim como uma melhor gestão dos nossos componentes”, explicou Ken Hu, presidente rotativo da Huawei, que não quis revelar os custos do ano passado.

As receitas de todas as áreas do negócio aumentaram, nomeadamente as relativas ao segmento empresarial e consumidor final.

Por regiões, as receitas da Huawei, criada em 1987 e que nunca entrou em bolsa, subiram 29% na China, na Europa, Médio Oriente e África cresceram 5%, enquanto no eixo Ásia-Pacífico aumentaram 10%.

A única região em que a fabricante de telemóveis registou quebra da faturação foi na América do Norte e do Sul, onde se registou uma diminuição de 11% em 2017 devido "a flutuações dos ciclos de investimento em telecomunicações na América Latina" e as restrições impostas aos operadores nos Estados Unidos.

O acordo assinado entre a Huawei e a operadora norte-americana ATT não avançou devido a preocupações relativas a questões de segurança do Governo e do Congresso dos Estados Unidos.

“Recentemente temos encontrado algumas dificuldades no mercado dos Estados Unidos”, afirmou Hu.

O gestor anunciou também que a Huawei vai aumentar o investimento no 5G (quinta geração móvel) e que em 2019 irá lançar no mercado o primeiro telemóvel inteligente nesta tecnologia.