Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Jovens portugueses foram os mais disponíveis da UE para procurar emprego fora em 2016

O problema da redução salarial afeta os jovens em todo o mundo

De acordo com o Eurostat, em Portugal, 29% dos jovens desempregados admitiam a possibilidade de mudar de localidade dentro do país, 16% contemplava a hipótese de emigrar dentro da UE e 25% para um destino não comunitário

Portugal foi o país da União Europeia (UE) onde mais jovens no desemprego se mostraram disponíveis para ‘emigrar’ com o objetivo de conseguir um emprego em 2016, indicou hoje o Eurostat.

Segundo o gabinete de estatísticas da União Europeia, apenas 29% dos jovens portugueses desempregados não admitiam procurar emprego fora do seu local de residência, um número bem abaixo da média comunitária.

Cinquenta por cento dos jovens europeus, com idades compreendidas entre os 20 e os 34 anos, hesitavam em mudar de local de residência para procurar emprego, com Malta (73%), Holanda (69%) e Chipre (68%) a ‘elevarem’ a média.

Em 17 dos Estados-Membros da UE, mais de metade dos jovens desempregados não estavam preparados para procurar emprego fora em 2016.

De acordo com o Eurostat, 21% dos jovens comunitários estavam disponíveis para deslocar-se dentro do mesmo país, enquanto 12% estavam preparados para procurar emprego dentro da UE e 17% fora do espaço comunitário.

Já em Portugal, 29% dos jovens desempregados admitiam a possibilidade de mudar de localidade dentro do país, 16% contemplava a hipótese de emigrar dentro da UE e 25% para um destino não comunitário.