Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Cascais recebe centenas de empresários num encontro que quer ser “o novo Davos”

Cerca de 600 personalidades mundiais vão discutir em maio ideias sobre um futuro sustentável

O Horasis Global Meeting, encontro que junta empresários, governantes e especialistas, decorre pela terceira vez em Cascais em maio, pretendendo ser "o novo Davos" ao reunir 600 personalidades mundiais para discutir ideias sobre um futuro sustentável, segundo a organização.

"Decidimos realizar o Horasis Global Meeting em Cascais, de forma permanente, para ali criar um 'novo Davos' [como é conhecido o Fórum Económico Mundial que decorre nesta cidade da Suíça], em que os participantes chegam todos os anos a um local conhecido", explicou à agência Lusa o líder desta organização internacional, Frank-Jurgen Richter.

Segundo o responsável, "Portugal é o país ideal para sediar o encontro", uma vez que "é o berço de tecnologia emergente da Europa [...] e o novo centro mundial de diálogo global devido à sua excelente posição geográfica entre o Oriente e o Ocidente".

A escolha de Cascais também não foi aleatória e, segundo Frank-Jurgen Richter, deve-se ao facto de este concelho "reunir todos os ingredientes para atrair os empresários experientes, em particular investidores, e os principais governantes e decisores políticos pelas suas excelentes infraestruturas".

Pela terceira vez consecutiva, o Horasis Global Meeting decorre em Cascais entre 5 e 8 de maio, visando discutir o papel da tecnologia no futuro.

Sob o tema 'Inspirando o futuro', o encontro vai levar 600 personalidades de 90 países a debater "novas ideias para tornar o futuro mais sustentável e equilibrado", dando "um enfoque especial a como a tecnologia pode ajudar a moldar" a sociedade a longo prazo, apontou Frank-Jurgen Richter.

Entre as presenças já confirmadas estão o primeiro-ministro português, António Costa, e outros membros do executivo, bem como "os líderes mundiais mais promissores", como Peter Mutharika (do Malaui), Armen Sarkissian (da Arménia), Hassan bin Talal (príncipe da Jordânia), Ulisses Correia e Silva (primeiro-ministro de Cabo Verde) e Mohamed ElBaradei (vice-Presidente do Egito e Nobel da Paz de 2005), elencou o presidente da Horasis.

Neste grupo, Frank-Jurgen Richter incluiu também o comissário europeu português Carlos Moedas.

Do lado dos empresários, o responsável destacou os nomes de Durão Barroso (atual presidente do banco Goldman Sachs International e ex-presidente da Comissão Europeia) e de Pedro Duarte Neves (vice-governador do Banco de Portugal e presidente do Comité para a Proteção dos Consumidores e Inovação Financeira da Autoridade Bancária Europeia), entre outros.

Num total de 60 sessões – entre palestras e espaços de diálogo –, o Horasis Global Meeting vai abordar assuntos como o desenvolvimento sustentável, as migrações, a tecnologia 'blockchain' (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada), a inteligência artificial e o emprego jovem.

Vincando que "agora é tempo de devolver a confiança às instituições", Frank-Jurgen Richter indicou que, no encontro, será também discutido como é que os líderes mundiais vão responder ao crescimento das divisões políticas, económicas, sociais e tecnológicas.

"Sentimos que, desde a edição do ano passado, o mundo parece estar a dividir-se: o populismo está a tomar conta de várias partes do globo, levando ao protecionismo e reduzindo os acordos mundiais", notou o presidente da Horasis, falando em "ameaças geopolíticas", como os confrontos na península coreana, na Síria e Médio Oriente e na Ucrânia.

Assim, o Horasis Global Meeting servirá para "juntar decisores de todo o mundo num novo trabalho de cooperação", adiantou Frank-Jurgen Richter à Lusa.