Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Escola internacional vai nascer no edifício da antiga Universidade Independente

Antigo edifício da Universidade Independente será transformado numa escola internacional para 900 alunos

Grupo Martinhal comprou o espaço da universidade para lançar uma escola de marca internacional para o ano letivo de 2019/20

O edifício em Lisboa onde funcionou a Universidade Independente (que fechou em 2007), na avenida Marechal Gomes da Costa, próximo do Parque das Nações, foi comprado pelo grupo Martinhal na perspetiva de o reconverter numa escola internacional com uma marca de referência. Cobrindo todo o ciclo de ensino que vai desde o primeiro até ao 12º ano, a nova escola terá capacidade para 800 a 900 alunos e abre já no ano letivo que começa em setembro de 2019.

Segundo Chitra e Roman Stern, proprietários do grupo Martinhal, “há muitas marcas interessantes que podemos trazer para Portugal. Depois de comprar o edifício e o terreno, estamos no processo de negociar com quatro ou cinco das mais prestigiadas escolas internacionais, e vamos redesenhar toda a envolvente e criar facilidades à volta para entrar em operação no ano letivo do próximo ano”. O momento também é favorável, uma vez que estas marcas estão abertas à internacionalização e “todas as escolas no Reino Unido estão agora a abrir no exterior, na China ou em Singapura”.

Para os donos do grupo Martinhal, o negócio surgiu na sequência do projeto hoteleiro e residencial que têm em curso no Parque das Nações, em Lisboa, e com o objetivo de vender residências a estrangeiros para viverem na cidade de forma permanente.

“Não trabalhamos na área escolar, mas identificámos esta grande necessidade. Quando uma família vem de fora e se muda para cá, normalmente quer pôr os filhos numa escola com o mesmo nível que tinham no país de origem”, constatam.

Lembrando que a maioria dos estrangeiros com visto gold tem filhos até aos 12 anos, os proprietários do grupo Martinhal sublinham que as escolas são um fator de peso na decisão de adquirir uma casa e viver em Portugal de forma permanente.

“Muitos dos estrangeiros que querem hoje comprar casa têm que optar por Cascais ou Estoril, porque é lá que estão todas as escolas internacionais, como a St. Julian’s”, nota Roman Stern. “Em Lisboa não há escolas internacionais.” Trazer para a capital “uma das melhores escolas que existem no mundo” é o objetivo do grupo Martinhal. Mas advertem: “Se queremos ver o fluxo de estrangeiros continuar a crescer, tem de haver esta aposta em Portugal”.