Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Céu limpo do Alqueva compete nos 'óscares' com a Torre Eiffel ou a Acrópole de Atenas

O Dark Sky Alqueva, “um dos melhores céus do mundo”, foi nomeado para os World Travel Awards, conhecidos como 'óscares do turismo', a concorrer com pesos pesados como o Coliseu, em Roma, o Palácio de Buckingham ou a Sagrada Família, em Barcelona

O Dark Sky Alqueva tem sede na vila da Cumeada, onde a iluminação pública foi alterada para se verem melhor os fenómenos do céu

O Dark Sky Alqueva tem sede na vila da Cumeada, onde a iluminação pública foi alterada para se verem melhor os fenómenos do céu

Foto Miguel Claro

Depois de ter sido eleito em 2018 o melhor destino turístico da Europa e do mundo, Portugal volta a ter uma posição arrojada nos prémios World Travel Awards, conhecidos como os 'óscares' do turismo.

A Dark Sky Alqueva, rota no Alentejo associada à observação de estrelas em céu limpo, foi nomeada para os próximos World Travel Awards na categoria de melhor atração turística da Europa (Europe’s Leading Tourist Attraction). E aqui a competir diretamente com grandes ícones monumentais como a Torre Eiffel, em Paris, a Acrópole, em Atenas, o Coliseu, em Roma, o Palácio de Buckingham, em Londres, ou a Sagrada Família, criada por Gaudí em Barcelona.

A nossa “Aurora Borealis”: a Via Láctea vista do cromeleque do Xerez, em Monsaraz

A nossa “Aurora Borealis”: a Via Láctea vista do cromeleque do Xerez, em Monsaraz

Foto Miguel Claro

“É uma honra ver o Dark Sky Alqueva nomeado entre nomes tão grandes”, considera Apolónia Rodrigues, presidente do Dark Sky Alqueva, frisando ser “o reconhecimento do trabalho que tem sido realizado na proteção do céu do Alqueva e mostra o crescimento do interesse no turismo científico, especialmente no astroturismo”.

Parece uma luta de David contra Golias, ver concorrentes como a Torre Eiffel, o Coliseu ou a Acrópole. Mas o Dark Sky Alqueva também tem os seus trunfos: um céu limpo, considerado “um dos melhores do mundo”, para ver enxames de estrelas ou a Via Látea, além de ser o primeiro do globo turisticamente certificado para este fim, oferecendo um conjunto alargado de experiências para fazer à noite, como ioga, caminhadas ou passeios de barco ou de canoa.

O Dark Sky Alqueva foi a primeira 'reserva de céu escuro' no mundo a receber a Certificação Starlight Tourism Destination, um selo de qualidade atribuído pela fundação Starlight, com o apoio da UNESCO e da Organização Mundial do Turismo.

Além das características de céu límpido, esta certificação atesta também que o destino está preparado do ponto de vista turístico para tirar partido deste potencial, com hotéis prontos a receber pessoas que, a qualquer hora da noite, querem ter experiências de lazer associadas à observação e à beleza do céu.

O Observatório do Dark Sky Alqueva está equipado com telescópios que permitem ver “enxames de estrelas ou as crateras da Lua”

O Observatório do Dark Sky Alqueva está equipado com telescópios que permitem ver “enxames de estrelas ou as crateras da Lua”

Miguel Claro

A reserva de céu escuro no Alentejo cobre uma área de quase 10 mil quilómetros quadrados em torno do lago do Alqueva, incluindo concelhos portugueses e espanhóis.

Prova de vinhos à luz das estrelas, passeios a cavalo ao luar

Com a qualidade do céu já certificada nos municípios de Alandroal, Barrancos, Moura, Mourão, Reguengos de Monsaraz e Portel, há uma série de experiências disponíveis, como passeios a pé ou a cavalo ao luar, além de 'workshops' de astrofotografia.

O facto de haver uma rede de parceiros associados à rota Dark Sky Alqueva (hotéis, estabelecimentos de turismo rural ou restaurantes) também levou à formação de pacotes, que podem ser desenhados à medida de cada turista, com atividades “desde o nascer do sol até ao final da noite mais estrelada do Alentejo”, envolvendo ioga, canoagem noturna, passeios de barco ou de balão no Alqueva, entre várias outras.

Um dos ícones do Dark Sky Alqueva, cujo fotógrafo oficial é o astrofísico Miguel Claro, é o Observatório que tem a sua sede na Cumeada, uma pequena vila na região de Reguengos de Monsaraz onde as luzes públicas foram alteradas para LED de forma a ter um céu sem poluição luminosa.

Equipado com telescópios próprios para observação solar e astronómica, este Observatório propõe-se proporcionar “uma experiência visual única, desde os planetas às crateras da Lua, passando pelo céu mais profundo, com uma viagem cósmica por entre as nebulosas, galáxias e enxames de estrelas que se erguem num dos melhores céus do mundo” - além de outras atividades, como provas cegas de vinhos à luz das estrelas.

Lembrando que os World Travel Awards visam “premiar e celebrar a excelência em todos os sectores do turismo”, Apolónia Rodrigues sublinha ser “um meio muito importante para dar a conhecer o Dark Sky Alqueva e a ajudar a conquistar mais mercados. Sendo um projeto único em Portugal e o primeiro no mundo a ser certificado, esperamos contar com o voto dos portugueses”.

Veja o link direto para votar no Dark Sky Alqueva