Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ações do Facebook estão a corrigir e Zuckerberg deverá falar nas próximas 24 horas

studioEAST/GETTY

Os títulos da rede social estão a conseguir dar a volta à espiral de desvalorização e a ganham mais de 1%, depois de um começo de sessão no vermelho. Mark Zuckerberg deverá falar nas próximas 24 horas sobre o alegado acesso indevido da Cambridge Analytica às contas de mais de 50 milhões de utilizadores do Facebook

Mark Zuckerberg ainda não falou desde que o escândalo rebentou e, pelo meio, o Facebook já desvalorizou cerca de 50 mil milhões de euros. Depois de duas sessões a cair 7% e de um começo negativo nesta quarta-feira, os títulos da Facebook começam finalmente a animar-se. Às 15h30 de Lisboa (10h30 de Nova Iorque), estavam a a ganhar acima de 1%, ultrapassando a barreira de 170 dólares por ação (138 euros). Contudo, a sessão ainda está nas primeiras horas e só ao final do dia se perceberá se os investidores estão mais animados com a rede social - num dia em que se espera que a Reserva Federal norte-americana (Fed), o banco central dos Estados Unidos, suba a taxa diretora de juros em 25 pontos-base (0,25 pontos percentuais).

Este (ainda aparente) otimismo no mundo das tecnológicas está a puxar o índice das tecnológicas, o Nasdaq, para níveis mais próximos de valores positivos, mas ainda cai 0,1%. Mas outras praças americanas seguem mais animadas: o Dow Jones valoriza 0,17%, enquanto o S&P 500, que acompanha as capitalizações bolsistas das 500 maiores empresas norte-americanas, sobe 0,1%.

A Bloomberg noticia que Mark Zuckerberg deverá falar publicamente sobre o caso, citando uma fonte próxima do presidente executivo da Facebook. O fundador da rede social ainda não falou desde que o "The New York Times" e "Observer" noticiaram, no último sábado, que os dados de mais de 50 milhões de utilizadores do Facebook foram indevidademente utilizados pela consultora Cambridge Analytica, para influenciarem os eleitores das eleições presidenciais norte-americanas e do referendo ao Brexit, em 2016.

Apesar do silêncio, Zuckerberg tem sido instado a falar sobre o caso. O Senado norte-americano, tal como o Parlamento Europeu e o parlamento britânico, já pediram para falar com o presidente do Facebook.