Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Processo da Altice contra Paulo Azevedo já avançou, mas Sonae mantém críticas

"Ainda recebo outro processo-crime", ironiza Paulo Azevedo depois de afirmar que vê "muitos inconvenientes" no negócio da compra da Media Capital pela Altice

O processo-crime da Altice contra Paulo Azevedo, presidente da Sonae SGPS já avançou, mas o gestor mantém o tom crítico sobre o negócio que envolve a compra da Media Capital. "Não estou a ver vantagens (no negócio). Vejo mesmo muitos inconvenientes", afirmou.

Numa entrevista publicada na edição de hoje do Diário de Notícias, o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, disse estar "profundamente convencido de que o negócio irá avançar" e que esta é uma operação "fundamental para o país".

Na conferência de imprensa de apresentação de contas da Sonae, que hoje decorreu na sede da empresa, na Maia, Paulo Azevedo respondeu num tom irónico: "Não sei a que país é que ele se está a referir". E acrescentou: "Ainda recebo outro processo-crime". Depois, confirmou que já tinha sido chamado no âmbito deste processo.

A Altice anunciou que iria apresentar uma queixa-crime contra Paulo Azevedo depois do presidente da Sonae ter ter dito que o negócio poderia levar à "descoberta de uma Operação Marquês dez vezes maior".

Na altura, em outubro do ano passado, Paulo Azevedo comentava a falta de consenso no parecer da ERC - Entidade Reguladora Para a Comunicação Social ERC sobre a compra da dona da TVI pelos franceses da Altice, e criticou o então presidente desta entidade, Carlos Magno. Na sua opinião, a concretização da compra, a concretizar-se, criará "as condições para que daqui a dez anos possamos estar todos indignados com a descoberta de uma Operação Marquês dez vezes maior".

  • A frase é de Paulo Azevedo, confiante no futuro apesar da concorrência estar a aumentar com a vinda da Mercadona para Portugal. Sobre a entrada do retalho em bolsa, os trabalhos de casa ainda estão a começar, mas há interesse dos investidores, garante. Sobre o pai, Belmiro de Azevedo, "ainda não vos consigo falar", diz.