Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Diretora-geral da Cisco Portugal quer trazer para o país centro de desenvolvimento

LLUIS GENE / AFP / Getty Images

Sofia Tenreiro confirma ao “Eco” a “ambição” de trazer um novo centro para Portugal, na sequência do acordo com o Governo para acelerar a digitalização do país. Uma possibilidade que o Expresso avançou no sábado

A Cisco Portugal tem como “ambição” trazer para o país um centro de desenvolvimento da tecnológica norte-americana, afirmou esta quinta-feira ao “Eco” Sofia Tenreiro. A diretora-geral da Cisco Portugal acredita que o país está “no bom caminho” para o alcançar, uma vez que assinou há uma semana um acordo com o Governo português para acelerar a digitalização do país.

A entrevista vem confirmar a notícia avançada pelo Expresso no último sábado que indicava que, no âmbito da parceria entre o Governo e a tecnológica, a abertura de um novo centro em Portugal é uma hipótese em cima da mesa de negociações. A empresa, que já tem tem Portugal centros de operações de suporte internacional, optou por não confirmar o investimento.

Mas esta quinta-feira a diretora-geral da Cisco Portugal confirma que este é um objetivo, especificando que gostaria de trazer para Portugal um centro de desenvolvimento, à semelhança do investimento anunciado pela Google. “Estamos a lutar e espero conseguir”, garantiu. “É uma ambição muito grande.”

A notícia surge após a assinatura, há uma semana, de um memorando de entendimento entre a tecnológica e o Governo para transformar Portugal numa nação digital. O acordo - que surge na sequência da proposta de John Chambers, chairman da Cisco, ao Executivo português durante a Web Summit de 2016 - prevê que, durante dois anos, as duas partes colaborem para acelerar a digitalização do país, no âmbito do programa Country Digital Acceleration (CDA), à semelhança do que tem sido feito nos 18 países que integram o programa da multinacional, como França, México, Israel e Arábia Saudita.

O memorando de entendimento com o Governo português assenta em três pilares da aceleração digital (educação, inovação e cibersegurança), materializando-se no apoio ao empreendedorismo e inovação nos negócios (com foco nas startups), educação inteligente e melhoria das competências digitais, transformação digital do sector público e dos serviços aos cidadãos, indústria 4.0 e mobilidade e cibersegurança.

Ao nível da Educação, a empresa quer ajudar no desenvolvimento de campus inteligentes e da escola do futuro. Foi por isso que fechou uma parceria com a Universidade Nova para que o novo espaço universitário em Carcavelos seja “um campus de próxima geração”, que incorpore as novas tecnologias desde a construção da universidade. O campus da Nova SBE vai incluir um Experience Hub onde pessoas e empresas possam encontrar soluções para desafios empresariais e sociais complexos.

Cisco e Governo acreditam que o acordo de aceleração digital do país pode ter um impacto positivo na inovação, competitividade e qualidade de vida. “Ao acelerar a agenda da digitalização nacional, Portugal pode aumentar o seu PIB, criar mais empregos e melhorar a inclusão digital da nossa população e dos nossos negócios”, realça o primeiro-ministro, António Costa, em comunicado enviado pela Cisco.