Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CE diz que é fundamental acelerar o crescimento da produtividade em Portugal

O crescimento mais elevado da produtividade é um fator-chave para melhorar as perspetivas nacionais em termos de competitividade, desalavancagem e crescimento potencial da economia, diz a Comissão Europeia sobre Portugal, no Pacote de Inverno do Semestre Europeu

"O crescimento mais elevado da produtividade é um fator-chave para melhores perspetivas na competitividade, desalavancagem e crescimento potencial" da economia portuguesa, destaca a Comissão Europeia (CE) no Pacote de Inverno do Semestre Europeu, divulgado esta quarta-feira.

Numa análise aos desequilíbrios da economia lusa, a CE destaca que o elevado endividamento externo, bem como a dívida pública e privada e uma elevada proporção de crédito mal parado (non performing loans) "constituem vulnerabilidades num contexto de baixo crescimento da produtividade"

O documento salienta que "é necessário uma posição prudente em termos de saldo da balança de transações correntes e a manutenção de ganhos de competitividade para garantir o ajustamento do endividamento externo".

A CE constata que os rácios de endividamento privado continuam em queda e que "é projetado" que o rácio da dívida pública em relação ao PIB "tenha entrado numa tendência de descida". Além disso, nota que as intervenções no sector financeiro "contribuíram para reduzir os riscos à estabilidade".

Contudo, alerta que os "bancos continuam penalizados por baixa rentabilidade e um elevado stock de crédito mal parado (NPL), que, apesar de tudo, começou a diminuir".

A CE vai mais longe, salientando que "permanecem lacunas nas medidas de política, nomeadamente em termos da implementação das medidas desenhadas para reduzir o crédito mal parado e para melhorar o ambiente de negócios".

"A adoção e implementação de vários planos de reformas, incluindo medidas para enfrentar a segmentação do mercado de trabalho ou reformas estruturais a nível orçamental para melhorar a sustentabilidade das finanças públicas terão de ser monitorizadas", remata a CE.