Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas de Nova Iorque já caíram perto de 4% em três dias. Futuros apontam para sexta-feira no vermelho na Europa e na Ásia

As duas bolsas norte-americanas perderam esta quinta-feira 1,3%, com o Dow Jones a destacar-se com um recuo de 1,7%. Os mercados de futuros apontam para uma queda de mais de 4% em Tóquio e de perto de 3% em Frankfurt na sexta-feira

Jorge Nascimento Rodrigues

As duas bolsas norte-americanas fecharam esta quinta-feira no vermelho pela terceira sessão consecutiva. O índice MSCI para os Estados Unidos caiu 1,3% esta quinta-feira e já acumula uma quebra de 3,7% em três dias.

O índice Dow Jones 30 destacou-se esta quinta-feira nas quedas, com uma perda de 1,7%. O índice composto do Nasdaq, a bolsa das tecnológicas, caiu 1,3%.

Apesar de Jerome Powell, o presidente da Reserva Federal norte-americana, na audiência de hoje na Comissão do Senado, não ter saído da defesa da estratégia gradualista que o banco tem vindo a seguir desde a sua antecessora, Wall Street continua a reagir negativamente, temendo que haja uma aceleração da subida das taxas diretoras.

A queda de 1,3% nas bolsas de Nova Iorque e de 1,36% nas praças da zona euro pressionou a descida do índice mundial MSCI, que recuou 1,2%. Nas últimas três sessões este índice global perdeu 3,2%.

Para sexta-feira, o mercado de futuros aponta para um queda de 4,5% no índice Nikkei 225 em Tóquio, de 2,9% no DAX em Frankfurt, de 2,3% no PSI 20 em Lisboa e no SMI em Zurique e de 2% no AEX em Amesterdão e no índice de referência Eurostoxx 50 (das cinquenta principais cotadas da zona euro).

Os futuros do índice S&P 500 apontam para uma quarta sessão no vermelho em Nova Iorque com uma queda superior a 1% na sexta-feira.

  • Crise de fevereiro custa 4% às bolsas mundiais. Março poderá não ser melhor

    Praças europeias foram as mais castigadas no mês em que as bolsas interromperam a subida que vinha desde 2016. Em Lisboa, o PSI 20, recuou quase 5%. Eleições em Itália, dúvidas sobre governo alemão e política monetária nos EUA e zona euro vão agitar as próximas semanas. Primeira sessão de março abre com perdas na Ásia e na Europa