Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Tires vai passar de aeródromo a aeroporto para aviação executiva

Tires quer assumir-se como o centro 
da aviação executiva 
da zona de Lisboa 


FOTO nuno botelho

Plano prevê Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e Autoridade Tributária em permanência. E novo ramal de saída da A5

Pedro Lima

Pedro Lima

Editor-adjunto

Até julho, o aeródromo de Tires vai subir de categoria: deverá passar a ser um aeroporto. O objetivo da mudança é poder receber operadores de aviação executiva de todos os destinos mundiais, assumindo-se como uma alternativa ao Aeroporto de Lisboa para este tipo de tráfego. É neste sentido que “no Aeródromo Municipal de Cascais tem vindo a ser feito um trabalho de qualificação, tendo em vista a transformação num aeroporto destinado à aviação executiva”, revela Miguel Sanches, diretor daquela infraestrutura.

Nos últimos cinco anos, fruto de um investimento de 3,2 milhões de euros, o foco tem sido dotar este aeródromo dos meios e equipamentos necessários para uma certificação em classe superior (as infraestruturas aeroportuárias são certificadas de I a IV). Já em outubro, a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) certificou o aeródromo de Cascais em Classe III, “o único em Portugal continental com esta classificação, podendo receber atualmente tráfego internacional, ainda que com algumas condicionantes – para voos de países terceiros continua a ser necessário um conjunto de autorizações prévias de várias entidades, num processo administrativo cujos tempos de resposta não são, muitas vezes, compatíveis com a realidade da aviação executiva”, explica Miguel Sanches.

“A ideia é passar a funcionar como aeroporto para toda a aviação executiva da região de Lisboa. Isto beneficiaria o aeroporto de Lisboa, que se diz que está sistematicamente sobrelotado e tem falta de slots”, referiu recentemente ao Expresso o vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz.

SEF em permanência

No trajeto de certificação para atingir a classe IV, o próximo passo será a renovação do terminal de passageiros, de forma a que, cumprindo os requisitos operacionais, “possa acomodar as diversas autoridades e oferecer um serviço de qualidade a todos os operadores e passageiros”, adianta o diretor da infraestrutura. “Em fevereiro arranca o procedimento administrativo para esta intervenção que se espera estar concluída durante o primeiro semestre deste ano”, avança.

Em concreto, com a classe IV, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e a Autoridade Tributária e Aduaneira passam a estar em permanência no aeródromo.

Novo ramal na A5

Em termos de acessos ao futuro aeroporto de Cascais também haverá novidades. “Temos já identificado o espaço-canal e está a ser negociado, entre a Câmara Municipal de Cascais e a Brisa, um ramal de saída na autoestrada A5. O terreno e o trajeto já estão identificados e mapeados”, adianta Bernardo Corrêa de Barros, administrador da Cascais Dinâmica, empresa municipal que gere o aeródromo.

O maior cliente do aeródromo, o grupo Sevenair, considera importante esta evolução. Apesar de “a nossa operação já replicar aquilo que será a operação do aeródromo daqui para a frente”, o impacto ao nível da formação de pilotos e técnicos de manutenção será “maior” , considera Alexandre Alves, diretor comercial do grupo. “A nossa base principal é em Cascais e o facto de estarmos inseridos numa infraestrutura que passa ter essa certificação vai dar uma experiência completa aos pilotos que formamos, que passam a treinar num ambiente altamente controlado, com mais tráfego, que replica um aeroporto internacional”, acrescenta.

A Sevenair, através da sua divisão Sevenair Air Services, opera duas concessões de voos regulares, uma que liga Porto Santo à Madeira e outra que liga o Sul ao Norte do país (de Portimão a Bragança), passando por Cascais. Nesta última, de um total de 11.500 passageiros transportados em 2017, cerca de um terço embarcaram ou desembarcaram em Cascais (1944 movimentos).

Ao todo, “em 2017, esta divisão gerou 3829 movimentos no aeródromo de Cascais, o que somando com a divisão de transporte aéreo, cimentou a posição do grupo como maior operador naquela infraestrutura aeroportuária”, remata Alexandre Alves.