Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Investimento industrial trava em 2018

LUCILIA MONTEIRO

Inquérito de Conjuntura ao Investimento do Instituto Nacional de Estatística aponta para uma travagem brusca do crescimento do investimento nas indústrias transformadoras, de 8,7% em 2017 para 0,2% em 2018, em termos nominais. No caso das exportadoras, o investimento poderá mesmo cair

Joana Nunes Mateus

O investimento das indústrias transformadoras deverá travar a fundo em 2018, tendo em conta as intenções manifestadas pelas empresas que responderam ao Inquérito de Conjuntura ao Investimento agora divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os resultados do inquérito realizado entre 1 de outubro de 2017 e 17 de janeiro de 2018 apontam para um aumento de 8,7% do investimento das indústrias transformadoras durante o último ano de 2017. Contudo, o crescimento estimado para 2018 situa-se em apenas 0,2% e esta previsão é feita em termos nominais, ou seja, sem descontar a inflação.

Há um ano atrás, as intenções de investimento manifestadas pelas indústrias transformadoras que responderam a este mesmo Inquérito de Conjuntura ao Investimento do INE eram bem mais altas, apontando para um crescimento da chamada formação bruta de capital fixo (FBCF) na ordem dos 6,9%.

Exportadoras em risco

Um zoom às empresas exportadoras das indústrias transformadoras revela mesmo que o investimento deverá contrair durante o corrente ano, com a taxa de crescimento nominal a colapsar de 8,8% em 2017 para -0,1% em 2018.

Segundo o INE, esta desaceleração deve-se, sobretudo, aos fabricantes de veículos automóveis e outro equipamento de transporte: o seu investimento acelerou 44,8% em 2017, mas deverá cair 22,7% em 2018. Pelo contrário, os fabricantes de coque, produtos petrolíferos refinados e de aglomerados de combustíveis prevêem investir mais 155,1% em 2018.

No cômputo geral, tendo em conta todas as atividades económicas e não apenas a indústria transformadora, o investimento empresarial em Portugal deverá crescer 3,7% em termos nominais durante 2018, contra 5,5% em 2017.