Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

“Ser português é uma vantagem na liderança de equipas internacionais”

Carlos Picoto, vice-presidente da Microsoft

João Ramos

João Ramos

texto

Jornalista

Nuno Botelho

Nuno Botelho

foto

Fotojornalista

Picoto que é, desde setembro de 2017, vice-presidente 
da Microsoft para 
a área de Windows 
Servicing and Delivery

Picoto que é, desde setembro de 2017, vice-presidente 
da Microsoft para 
a área de Windows 
Servicing and Delivery

nuno botelho

“Os portugueses têm uma cultura de abertura e sabem criar bons relacionamentos. É uma vantagem para quem lidera uma equipa de várias nacionalidades e culturas”, defende Carlos Picoto que é, desde setembro de 2017, vice-presidente da Microsoft para a área de Windows Servicing and Delivery. A partir da sede da multinacional, em Seattle, na costa oeste dos EUA, dirige um grupo de 740 especialistas em software e gestores de projeto oriundos de vários países que têm por missão fazer atualizações semanais e disponibilizar novas versões do sistema operativo Windows 10 que é usado atualmente por 500 milhões de computadores pessoais em todo o mundo. Carlos Picoto passa assim a ser o executivo português com a mais alta função na empresa americana fundada por Bill Gates, depois de Rodrigo Costa (atual presidente da REN) ter ocupado também um cargo de vice-presidente da Microsoft.

Carlos Picoto tem a noção de que tem sobre os ombros uma importante tarefa que influencia o grau de satisfação dos utilizadores Windows. “Temos de ter muito cuidado com aquilo que fazemos porque costumo dizer a brincar aos nossos grandes clientes empresariais: ainda bem que têm departamento de informática porque eu sou o departamento de informática da vossa família e de milhões de famílias em todo o mundo”, salienta.

Apesar da boa aceitação que o sistema Windows 10 tem tido (500 milhões de utilizadores), Carlos Picoto revela que “o Windows 7 ainda é muito popular nas empresas”. Já o Windows 8 e o 8.1 ficaram aquém porque a maioria das empresas saltou do Windows 7 para o 10. Diz que existem casos de longevidade de sistemas operativos Windows antigos que já saíram do mercado. Por exemplo, a Microsoft continua a fazer atualizações para o Windows XP no âmbito de contratos especiais com algumas empresas por ser, por exemplo, o sistema que controla robôs empresariais.

Outro dos desafios de Carlos Picoto passa por assegurar a compatibilidade com os sistemas operativos antigos, mas nem sempre no passado as coisas correram bem. Por exemplo, houve empresas clientes do Windows que tiveram problemas quando migraram das versões do XP para o Windows 7, passando por cima do Vista. “Desta vez, com o Windows 10, a Microsoft manteve os mesmos interfaces da versão 7, sendo os níveis de retrocompatibilidades acima dos 90%.” sublinha o gestor português.

Carlos Picoto salienta que a Microsoft lança agora as novas versões de sistemas operativos de forma muito diferente do passado. “Anteriormente saíam novas versões em cada três anos, faziam-se um grande evento de lançamento e muita gente marcava presença e recebia um CD com a versão beta”. E acrescenta: “Com o Windows 10 foi criado um sistema de atualizações quase diário. E há um calendário de duas releases (versões) por ano”.

Cibercrime está a aumentar

Além de zelar para que os 500 milhões de computadores com o sistema Windows 10 estejam atualizados, a equipa de Carlos Picoto também tem estado envolvida na resolução dos ataques de software malicioso, como foi o caso dos ransomware WannaCry e Pettya, que infetaram milhares de computadores em vários países em meados de 2017. “O meu grupo teve de trabalhar arduamente para colmatar essas falhas de segurança, tendo disponibilizado patchs [remendos] em março de 2017”. Mesmo assim, os ataques provocaram alguns danos porque, segundo Carlos Picoto, “os sistemas antivírus associado às assinaturas têm sido insuficientes” e “alguns dos fornecedores nem sequer os tinham disponíveis”. Também “houve empresas que demoraram várias semanas a atualizar os seus sistemas de defesa”, por recearem que as atualizações pudessem ter impacto no funcionamento dos sistemas”.

Em caso de ataque, “o tempo é um fator crítico” porque nas primeiras horas este tipo de malware “espalha-se rapidamente”. Carlos Picoto constata ter havido um aumento significativo do número de ataques no último ano. “O meu grupo já produziu mais atualizações de segurança nos primeiros seis meses de 2017 mais do que em 2016. Há cada vez mais hackers organizados a fazer ataques de ransomware e phishing”, observa.

Para que as empresas e as pessoas resistam melhor aos ataques o gestor defende que “os utilizadores devem ter os sistemas operativos atualizados, sobretudo na área de segurança”. Alerta que “os tipos de malware mais perigosos são os worms, que conseguem passar de um computador para outro sem que o utilizador se aperceba”.

Porque falhou 
o Windows Phone

Durante alguns anos, Carlos Picoto também esteve envolvido no projeto Windows Phone, que acabou por soçobrar face à concorrência do Android (Google) e do iOS (Apple). Afinal, o que correu mal? Admitindo tratar-se de uma questão com alguma carga emotiva recorda os factos que levaram a este desenlace. “Quando foi lançado o Windows Phone 8 houve uma forte aposta num novo interface móvel que tinha bastante mérito, que muitos clientes gostavam. Com a aquisição da Nokia, aumentou a sua quota de penetração, mas continuava a estar em terceiro lugar (atrás de iOS e Android) e começou a ser oneroso manter no Windows Phone as principais apps móveis, uma vez que os produtores começaram a exigir à Microsoft o pagamento pelo desenvolvimento dessas apps”. Carlos Picoto diz que isso adulterava o crescimento do terceiro ecossistema. “Chegou-se a um ponto em que algumas dessas apps chegavam atrasadas ou até deixaram de funcionar no Windows Phone. Era o problema do ovo e da galinha: não tínhamos a quota de mercado suficiente para gerar aplicações e não tendo quota de mercado não se atraía aplicações”. E acrescenta: “A partir do momento em que foi tomada a decisão de deixar de fabricar telemóveis, as quotas de mercado caíram a pique”. Daí em diante a Microsoft passou a suportar apenas os clientes empresariais que tinham apostado no Windows Phone. “A aposta agora é colocar as aplicações Microsoft (Office, Cortana, etc.) nos dois ecossistemas que dominam o mercado”, conclui.