Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fernando Pinto fica como assessor da TAP: “Não é assim, nem jamais será, um adeus”

José Caria

Fernando Pinto despede-se dos colaboradores como presidente da TAP mas comunica que continuará como assessor. E agradece-lhes: "Foram 15 anos de sobrevivência" até à privatização

Os 17 anos de liderança da TAP "foram a experiência mais enriquecedora da minha carreira." É assim que Fernando Pinto começa por se despedir dos trabalhadores da TAP, num email enviado esta manhã, a que o Expresso teve acesso.

"A TAP é hoje três vezes maior do que quando eu aqui cheguei e cresceu muito também neste dois anos de privatização. É hoje também uma das maiores empregadoras do País", escreve Pinto.

Quando chegou à TAP, há quase duas décadas, o gestor tinha como missão privatizar a empresa. Apesar de fazer um balanço "muito positivo", foi, "como todos sabemos, um processo difícil, feito de muitos obstáculos e dificuldades". A TAP "enfrentava constrangimentos de ordem financeira que impunham a privatização. E enquanto esse objetivo não se concretizava, a empresa tinha de sobreviver".

Fernando Pinto diz que esse foi um dos maiores desafios da sua equipa de gestão. "Foram 15 anos de sobrevivência. Sobreviver à falta absoluta de capital, às imensas flutuações cambiais, à reestruturação da frota e por fim à chegada das low cost. Lembro de momentos de grandes desafios mas, acima de tudo, momentos de superação, em que foi possível, com a ajuda de todos, acreditar que a empresa tinha futuro".

Para o gestor, a privatização da empresa, concretizada há dois anos, permitiu iniciar um novo ciclo na TAP. "A meta que tinha imposto a mim e à minha equipa foi finalmente atingida. Era vital para a empresa, como se pode comprovar hoje, após este período de resultados extremamente positivos. A empresa tem atingido resultados históricos sucessivos e a sua saúde financeira é cada vez mais uma realidade, o que nos permite ter grande confiança no caminho que estamos a seguir".

Fernando Pinto deixa ainda uma palavra de apreço pelo seu sucessor, Antonoaldo Neves, afirmando que "não podia estar mais contente e entusiasmado com esta escolha para assumir os destinos da TAP. É a pessoa certa, e pela qual tenho grande admiração. Aliás, fui eu mesmo quem o convidou para nos ajudar no programa de crescimento que lançámos há dois anos, o que lhe permitiu conhecer detalhadamente a companhia".

O gestor diz sair da TAP com a com a certeza de que a empresa está numa rota de crescimento. E garante que irá acompanhar esse crescimento de perto, já que continuará ligado à companhia nos próximos dois anos enquanto assessor.