Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Centrais solares de João Talone fecham contrato inédito

A Hyperion, empresa liderada por Talone, assegurou um contrato para vender a energia de uma central fotovoltaica em Évora durante 10 anos à Axpo Ibéria

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

É um contrato histórico, por ser o primeiro negócio feito totalmente em condições de mercado para um contrato de longo de prazo de venda de energia solar em Portugal. A Hyperion, de João Talone e Pedro Rezende, firmou um contrato a 10 anos com a Axpo Ibéria para escoar a eletricidade de uma central fotovoltaica de 28,8 megawatts (MW) em Évora.

A central solar em causa vai ocupar uma superfície total de 50 hectares, contando com 28,8 MW e uma produção anual que ronda os 50GWh, o equivalente ao consumo anual de 14.000 lares.

O projeto é promovido pela Hyperion, mas é propriedade da empresa Dynavolt Renewable Energy Europe (a Hyperion ficará como acionista minoritário), e conta com financiamento do BPI. Tem a particularidade de, ao contrário da maior parte da potência solar em operação em Portugal, não ter tarifas subsidiadas.

O facto de ser construída no regime geral de produção de eletricidade obrigou os promotores a encontrar uma solução de mercado para a venda da energia, que passou por um contrato com 10 anos de duração, em que o comprador será a Axpo, empresa que opera na Península Ibérica desde 2002.

A maior parte dos empreendimentos de energia renovável em Portugal continuam a ser operados com tarifas subsidiadas de venda de energia à rede, mas nos próximos anos vários parques eólicos irão terminar os respetivos períodos de tarifas garantidas, passando então a ter de vender a sua energia em condições de mercado.