Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Administrador financeiro abandona EDP para se dedicar a projetos pessoais

Nuno Alves, administrador financeiro

Nuno Fox

Nuno Alves acompanhava António Mexia na EDP há 12 anos. É o único administrador da equipa de Mexia que não será reconduzido em abril. Garante que a saída estava “há muito equacionada”

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Nuno Alves é um dos gestores mais antigos da administração da EDP: estava há 12 anos na elétrica, como administrador financeiro da equipa de António Mexia. É o único executivo que não será reconduzido na assembleia geral de 5 de abril. Mas garante que sai pelo próprio pé.

“Considero que é o momento certo para me dedicar a projetos pessoais. Esta é uma decisão bem ponderada e há muito equacionada. Seguro do sucesso da EDP, desejo as maiores felicidades à nova equipa de gestão que vai liderar o Grupo a partir de abril”, declarou Nuno Alves em comunicado.

É com extremo orgulho e sensação de dever cumprido que me despeço ao fim de 12 anos do conselho de administração executivo da EDP. Ao longo deste tempo, acredito que atingimos os objetivos que fomos traçando, contribuindo para o crescimento e solidez do grupo”, aponta ainda o administrador financeiro da EDP.

Nuno Alves diz que “foi um privilégio ter feito parte de uma equipa de enorme profissionalismo e dedicação liderada por António Mexia”, deixando-lhe uma “especial palavra de agradecimento e amizade”. O gestor agradece também a “todos os acionistas e colaboradores da EDP”.

A assembleia geral de acionistas da EDP convocada para 5 de abril deverá reconduzir António Mexia como presidente executivo, mantendo a restante equipa atual (à exceção de Nuno Alves) e tendo como novidades os nomes de Vera Pinto Pereira e Maria Teresa Isabel Pereira, que vêm cumprir a obrigação que a EDP tem, enquanto empresa cotada em bolsa, de a partir de 2018 incluir na sua administração um mínimo de 20% do género menos representado.

Não está ainda definido quem irá ocupar o lugar de administrador financeiro da EDP a partir de abril, mas um dos nomes mais habilitados para a função será Rui Teixeira, que durante vários anos foi o administrador financeiro da EDP Renováveis, até transitar para a administração da EDP, na qual continuará no próximo triénio.

  • Mexia fica na EDP e Luís Amado substitui Catroga

    É oficial: António Mexia vai continuar a liderar a EDP, Manso Neto mantém-se como número dois, e Luís Amado vai substituir Eduardo Catroga como presidente do conselho de administração. Fora da lista está o administrador financeiro Nuno Alves