Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Empresas contratam nas tecnologias e saúde

Feira de recrutamento Job Fair Expresso Emprego realiza-se na próxima semana. Saúde e Tecnologias de Informação dominam as ofertas

Catia Mateus

Catia Mateus

Jornalista

Nos últimos anos, têm-se somado projeções sobre os impactos que a automação está a gerar no mercado laboral e nos que poderá ainda vir a gerar. Um estudo recente da consultora PwC avança que só nos Estados Unidos 48% dos trabalhadores serão substituídos por máquinas, nos próximos dez anos. Transportes e logística estão entre os sectores que mais poderão sofrer com este avanço tecnológico, com uma possibilidade de troca de 56% da mão de obra real por computadores. Vendas (44%) e finanças (32%) ocupam os restantes lugares deste pódio e a tendência é global. Há, porém, sectores que parecem ser imunes a este domínio da máquina sobre o homem. Saúde e Tecnologias de Informação figuram como áreas prioritárias nas estratégias das empresas. Portugal não é exceção.

Na feira virtual de recrutamento que o Expresso Emprego — a Job Fair Expresso Emprego — realiza de 4 a 11 de dezembro, a partir da sua plataforma online, a maioria das ofertas disponíveis visa o preenchimento de vagas nestes sectores. O grupo José de Mello Saúde, por exemplo, estará a contratar quadros para a sua área de gestão mas também “auxiliares de saúde, administrativos, enfermeiros de diferentes especialidades e técnicos de diagnóstico, também de diferentes especialidades”, explica Rosário Aleixo, porta-voz do departamento de Recursos Humanos da empresa. O grupo José de Mello Saúde emprega atualmente cerca de oito mil profissionais em território nacional e no próximo ano deverá continuar a reforçar as suas estruturas, embora Rosário Aleixo admita não estar ainda definido o número de contratações previstas para 2018.

Dinâmica tecnológica

À semelhança do que vindo a acontecer nos últimos anos, as Tecnologias de Informação (TI) continuarão a fazer parte da estratégia das empresas no momento de reforçar as suas estruturas. Já de olhos postos em 2018, a Rumos e a Gfi participam no evento para contratar especificamente perfis tecnológicos.

“Na Gfi estão 40 posições em aberto para uma grande variedade de perfis tecnológicos, desde programadores, administradores de sistemas, administradores de rede e segurança, software testers, business analysts, arquitetos de software e gestores de projeto”, explica Mafalda Espada, especialista de recrutamento da empresa, adiantando que se trata de vagas quer para perfis juniores ou com sólida experiência. A empresa tinha como objetivo contratar 200 profissionais este ano e já integrou 210. Em 2018 deverá repetir o número.

No grupo Rumos, as necessidades vão desde programadores em tecnologias Microsoft e Oracle, a administradores de sistemas, consultores de infraestruturas, gestores de projetos ou consultores de business intelligence. “Há pelo menos 30 oportunidades para preencher”, avança Vera Medeiros, porta-voz da empresa. Por ano a Rumos contrata em média 80 profissionais. Este ano deverá rondar os 100, fruto da crescente dinâmica do mercado e das necessidades internas da empresa para dar resposta aos seus clientes. O número deverá repetir-se em 2018 já que o plano da empresa prevê 100 novas contratações na área tecnológica.