Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Referendo na Autoeuropa só termina às 21h

Começou às 3h da manhã desta quarta-feirta e só estará concluído à noite. Só depois das 22h30 se saberá se os trabalhadores da fábrica de Palmela aprovam ou chumbam a laboração contínua e o trabalho ao sábado, sem horas extraordinárias

Os trabalhadores da Auroeuropa votam esta quarta-feira, em referendo – que se realiza das 3h da madrugada até às 21h – os termos do pré-acordo laboral estabelecido a 20 de novembro sobre o novo modelo de trabalho da fábrica de Palmela, que incluirá a laboração contínua com três turnos diários, sábado incluído, a ter início em agosto, depois do período das férias de verão de 2018.

Fonte oficial da Autoeuropa referiu ao Expresso que os resultados do referendo só devem ser conhecidos entre as 22h30 e as 23h, razão pela qual a posição oficial da Autoeuropa só deve ser divulgada na quinta-feira, 30 de novembro.

Este pré-acordo já foi contestado durante os diversos plenários que se realizaram na semana passada. Os trabalhadores comentaram que as propostas do pré-acordo não são suficientes.

Já no referendo de 29 de julho, os trabalhadores tinham rejeitado, por 74% de votos contra, a proposta do anterior pré-acordo. Esse "chumbo" levou à demissão da anterior Comissão de Trabalhadores. Em causa esteve a discordância com o regime de trabalho ao sábado sem pagamento de horas extraordinárias. Foi essa a razão que levou à realização da primeira greve na história da Autoeuropa, concretizada a 30 de agosto.

O referendo que decorre durante o dia de hoje pretende saber se os trabalhadores da Autoeuropa aceitam o novo pré-acordo, que propõe um período de transição, entre a quinta semana do ano (em fevereiro) e a 33ª semana (em agosto), para ensaiar cada um dos três turnos pelas várias equipas e preparar a fase seguinte, depois de agosto, em que a unidade de Palmela passará a laborar de forma contínua, em três turnos diários. Na fase transitória, o trabalho decorrerá de segunda a sexta-feira e a laboração ao sábado será feita em horas extraordinárias. Só depois de agosto é que o trabalho ao sábado passará a não ser pago como extraordinário.

A proposta de contratatação de mais 400 trabalhadores, que permitirá reforçar o trabalho aos sábados e aligeirar a carga da cadência de produção de segunda-feira até sábado – entretanto feita pela administração da fábrica de Palmela – é um factor que poderá atenuar o descontentamento dos trabalhadores em relação no novo modelo de laboração contínua da Autoeuropa, com três turnos por dia durante seis dias por semana.