Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Belmiro de Azevedo 1938-2017. O ninho que o engenheiro deixou de herança

Clara Azevedo

São várias as histórias de empreendedores saídos da casa Sonae que cresceram e se tornaram casos de sucesso - são o ninho de empresários criado por Belmiro. Aqui os recordamos, republicando um texto da revista Exame de julho de 2015. Belmiro de Azevedo morreu esta quarta-feira, aos 79 anos

Quando festejou os 70 anos, em fevereiro de 2008, Belmiro de Azevedo recebeu do grupo de ex-gestores da Sonae a quem ajudou a vestir a pele de empresários uma obra de arte insólita e original. O quadro não é de autor consagrado, resulta até de uma colagem apressada, mas tem uma forte carga simbólica. Reproduz e combina ações antigas de empresas alienadas pela Sonae com um agradecimento em forma de mensagem dos seus subscritores: "Fazer empresas tem mérito, estimular novas empresas é promover o mérito." Sete anos depois, na cerimónia que assinalou 50 anos de vida dedicados à Sonae e a passagem de testemunho na presidência do grupo, Belmiro de Azevedo não se esqueceu de destacar este grupo de gestores "filhotes da Sonae" e mostrar disponibilidade para replicar o exemplo no futuro.

"Fomos sempre empreendedores e sempre encorajámos os nossos quadros a sê-lo também os inúmeros spin-offs que cresceram e se tornaram histórias de sucesso fora da Sonae são bom exemplo disso [.] Estes casos de sucesso, aliás, encorajam-me a promover novos programas de management buy out (MBO), que espero venham a produzir novos empresários bem sucedidos", afirmou.

Pelas suas contas, empregam 15 mil pessoas e valem mil milhões de euros de faturação. É um quinto das vendas da Sonae, SGPS. Juntando essa contribuição e a da Sonae Indústria, Belmiro reforçaria para 5% o seu peso no produto interno bruto (PIB).

No campeonato dos números, Carlos Moreira da Silva, da Barbosa e Almeida (BA), e a dupla Pinto de Sousa/Alberto Teixeira, da Ibersol, distanciaram-se dos restantes ex-quadros. São estes os "filhotes" que mais contribuem para os mil milhões de euros. A vidreira já vende mais de 500 milhões, enquanto o grupo de restauração anda perto de 200 milhões e leva à Sonae a vantagem de ter uma operação em Angola em fase de consolidação.

A Ibersol é a única empresa deste universo que permanece cotada, tendo em 18 anos multiplicado o seu valor 4,5 vezes, para se valorizar, em média, 15% ao ano e liderar um universo de 15 marcas. Na Barbosa e Almeida, o crescimento anual rondou 11% desde 1998.

Já Jaime Teixeira, o braço-direito e companheiro inseparável de Belmiro de Azevedo durante duas décadas, não chega a 20 milhões de euros nas duas empresas que detém (Orbitur e Laminar). Os históricos João de Barros, sogro da filha de Belmiro, e David Moreira trocaram a Selfrio pela Safira Services, em destaque num grupo de empresas a operar em áreas diversas, onde faturam 40 milhões de euros.

Romão de Sousa, que iniciou a sua carreira de empresário no MBO da Probos, mantém hoje ligação à Epoli, com vendas de 12 milhões de euros, e está a lançar o projeto Consumo em Verde, onde prevê faturar 13 milhões de euros no primeiro ano de atividade.

A Indasa, de Benjamim Santos, trabalha para aumentar a faturação de 51 milhões de euros, em 2013, para 70 milhões em 2017.

Num universo dominado por empresas da velha economia, a holding Pathena, de António Murta, funciona como um raio luminoso da economia digital. Murta já se destacara como fazedor de empresas antes mesmo de ingressar na Sonae Distribuição. Ele pertence a outra cultura e outra escola, mas foi em parceria com o conglomerado de Belmiro de Azevedo que fundou a Enabler, uma software house de retalho na qual a Sonae detinha uma participação de 68%, entretanto vendida ao gigante indiano Wipro.

Foi esta operação, no valor de 57 milhões de euros, que permitiu a Murta fundar o fundo de capital de risco Pathena, focado em empresas tecnológicas de elevado potencial, já com 10 investimentos concretizados, um dos quais na Brisa Inovação.

Neste movimento empreendedor houve operações clássicas de MBO (Indasa, Probos ou Orbitur), alienações de empresas exteriores ao núcleo central da Sonae, criação de novas empresas e casos de associação, como aconteceu na Laminar, de Jaime Teixeira, e de certa forma na BA.

A par do mérito da "cultura Sonae", Belmiro elogia a excelência dos seus "alunos" no comando de empresas que cresceram e prosperaram. Os "filhotes" também não esquecem a aprendizagem feita com o empresário. Os ex-gestores são unânimes a agradecer a inspiração, mas Moreira da Silva diz que Belmiro tem também o mérito "de saber ver quem consegue dar o salto". Afinal, no universo de milhares de trabalhadores do grupo, os "filhotes" contam-se pelos dedos da mão e praticam o mimetismo face à carreira do engenheiro. Na sua maioria são também engenheiros Pinto de Sousa, jurista, Alberto Teixeira e João Barros, economistas, são as exceções.

Coincidem em considerar-se "Homens Sonae" e muitos deles têm até uma placa com o logótipo do grupo no seu escritório.

"A Sonae é um bom exemplo de escola de formação de gestores", reconhece a dupla da Ibersol. "Belmiro de Azevedo teve uma influência decisiva nos meus valores e comportamentos", refere Romão de Sousa.

"É um gestor que sempre nos obrigou a sair fora da caixa", acrescenta Moreira da Silva. Na feliz expressão de Jaime Teixeira, "na Sonae, os gestores tornam-se empresários por conta de outrem", ficando aptos a pedalar a sua própria bicicleta.

Pinto de Sousa (à esquerda) e Alberto Teixeira conheceram-se na Sonae e permanecem unidos no negócio da restauração. Impulsionaram a expansão da Ibersol, que já conta com uma rede de KFC em Angola

Pinto de Sousa (à esquerda) e Alberto Teixeira conheceram-se na Sonae e permanecem unidos no negócio da restauração. Impulsionaram a expansão da Ibersol, que já conta com uma rede de KFC em Angola

Rui Duarte Silva

A DUPLA DA IBERSOL
Os valores da frugalidade, valorização do trabalho e promoção do mérito são mandamentos do decálogo que a dupla Alberto Teixeira e Pinto de Sousa aplica na gestão diária da Ibersol. São critérios que importaram da convivência com Belmiro de Azevedo. O engenheiro advertia que "nada se consegue sem esforço e trabalho árduo". "O sucesso nos negócios é feito com 99% de transpiração e 1% de inspiração", recorda Pinto de Sousa. Alberto Teixeira reforça. "Tinha de haver sempre tempo para a Sonae, cada um defendia o grupo como se fosse seu." A Ibersol saiu do berço Sonae há 17 anos, combinando a dispersão de capital em bolsa com a venda aos dois gestores de uma posição de controlo. Evoluiu de uma pequena operação centrada no franchising da Pizza Hut para se tornar no líder português de restauração e no quarto operador ibérico, com vendas anuais próximas de 200 milhões.

A rede passou de 66 unidades (1997) para 400, mas a evolução do volume de emprego (2000 vs. 5200) deixa claro que a produtividade é quem mais ordena. A carreira da Ibersol, diversificando mercados e marcas, replica o modelo Sonae.

Conta com uma tentativa de aquisição falhada (Telepizza) e uma oferta para retirar a empresa da bolsa que os investidores recusaram. O caso Telepizza (2006) é emblemático da cultura de "ambição controlada". A operação de 630 milhões de euros permitia ao grupo triplicar a dimensão e aceder a outro campeonato. A oferta vencedora foi 30% superior.

Uma derrota virtuosa? A Ibersol foi "até onde achámos razoável e racional. Se a operação vingasse ao preço oferecido, estaríamos hoje confortáveis, apesar do ciclo recessivo que marcou o negócio no mercado ibérico".

Pelo caminho ficaram outras operações falhadas em Espanha que a Ibersol compensa pela expansão orgânica. E o futuro? A estratégia permanece. Há espaço "para manter o crescimento orgânico sem descurar oportunidades de aquisições que possam surgir", diz Alberto Teixeira.

No caso de Angola, a Ibersol seguiu a atração africana pelo frango e apostou na rede Kentucky Fried Chicken (KFC). Já espetou cinco lanças em Luanda, enquanto a instalação do Continente estagna. "Queremos montar uma operação sólida, crescer de acordo com a evolução da procura e usando recursos angolanos na medida do possível", responde Pinto de Sousa. No ciclo pós-Sonae valorizou-se em bolsa ao ritmo de 17% ao ano, mas a reduzida capitalização do free float (capital disperso em pequenos investidores) impede que ambicione integrar o PSI-20. O desempenho é digno de "Homens Sonae"? A cotação "é uma referência importante, mas gerimos a empresa orientados para a criação de valor, acreditando que os investidores serão justos na apreciação. Mas sabemos que o mercado tem idiossincrasias muito específicas".

Na fase de transição, Belmiro permaneceu no conselho de administração da Ibersol e os dois ex-Sonae não prescindiam da sua sabedoria. Depois, as carreiras afastaram-se e os contactos ficaram reduzidos aos almoços regulares que alimentam uma sólida amizade.

Pinto de Sousa valoriza a obsessão do engenheiro "pela avaliação permanente de tudo, a promoção da meritocracia" e "a cultura de rigor e responsabilidade" na gestão dos recursos, focada no retorno do investimento. Alberto Teixeira fala de "um empresário à frente do seu tempo", que aliava "uma capacidade de trabalho imbatível, com inquietude e inovação permanentes". Acima de tudo, "é preciso perceber o funcionamento dos mercados".

Carlos Moreira da Silva está eternamente grato pela generosidade de Belmiro, que o tratou como a um filho. Entrou na vidreira Barbosa & Almeida para a gerir em nome da Sonae e evoluiu para acionista principal

Carlos Moreira da Silva está eternamente grato pela generosidade de Belmiro, que o tratou como a um filho. Entrou na vidreira Barbosa & Almeida para a gerir em nome da Sonae e evoluiu para acionista principal

Rui Duarte Silva

A ATRAÇÃO DAS MISSÕES IMPOSSÍVEIS
As palavras são de Belmiro de Azevedo: Carlos Moreira da Silva viveu o seu "momento transformacional" quando decidiu sair da Sonae para gerir a Barbosa & Almeida (BA), em 1998, uma década depois de ter entrado no grupo da Maia para criar a divisão de tecnologia de informação, onde nasceu o Público e a Rádio Nova.

No livro comemorativo dos 100 anos da BA, Belmiro de Azevedo recorda que recebeu uma proposta de compra da BA precisamente na fase em que Moreira da Silva queria sair da Sonae e decidiu propor-lhe que fosse gerir a empresa "em nome da Sonae".

Moreira da Silva dá mais pormenores.

Belmiro não queria que ele deixasse o grupo, mas na altura certa soube abrir a porta. "(Belmiro) Deu-me um dossiê para estudar, um contacto no BPI para tirar dúvidas e pediu-me resposta no mesmo dia. Eu aceitei na condição de poder comprar ações da BA. E ele foi de uma grande generosidade.

Nem sei se eu próprio seria tão generoso para um filho. 'Podes endividar-te para comprar ações que eu avalizo', disse-me." Mais tarde, quando propôs ficar com a participação da Sonae na BA, Belmiro admitiu vender a sua parte no prazo de dois anos na condição de Moreira da Silva regressar à Sonae Indústria, então a atravessar um momento difícil.

Quando Moreira da Silva saltou para o negócio dos vidros, encontrou uma empresa cotada com uma performance abaixo da concorrência, vendas de 100 milhões de euros e um prejuízo de 1,5 milhões de euros. Em 2014 faturou 515 milhões de euros e teve um lucro de 85 milhões de euros (mais 27,5% que em 2013) num grupo de sete fábricas que produz 6,3 mil milhões de embalagens para 50 mercados.

Aos 62 anos, ainda à procura de oportunidades de aquisição na Europa e em mercados emergentes para este grupo onde controla 45% do capital e tem a maio ria dos votos, mantém a presidência não executiva da vidreira e está de regresso à administração da Sonae Indústria, para ajudar, mais uma vez, a dar a volta à empresa.

Gosta de correr riscos e de enfrentar missões impossíveis, mesmo que as coisas nem sempre corram bem, como aconteceu com a entrada na espanhola La Seda, onde a BA perdeu 51 milhões de euros. "Sabíamos que havia risco e soubemos manter a cabeça fria. Perdemos muito dinheiro? É verdade. Mas arriscámos apenas os lucros de um ano." Doutorado em Inglaterra, Moreira da Silva cruzou-se com Belmiro de Azevedo quando dava aulas na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e procurava lançar a APGEI -Associação Portuguesa de Gestão e Engenharia Industrial.

O convite para entrar na Sonae chegou em 1985, mas foi concretizado apenas três anos depois, o tempo de passar pela EDP e "ficar a conhecer os corredores do poder", como diz Belmiro.

Na Sonae, esteve ligado à TST, "uma boa ideia que veio antes do tempo, porque propunha um sistema de vendas online quando ainda não havia tecnologia para isso", passou pela SIAF (Sonae Indústria), participou na aquisição da TAFISA, no lançamento dos formatos de retalho especializado e do banco universo, perdeu a primeira licença de telemóveis.
"Foi mais uma carreira em ziguezague.

Só não passei pelo retalho alimentar e pelo imobiliário", comenta. Também esteve no conselho de supervisão da Jerónimo Martins, na Polónia.
No seu processo de aprendizagem na Sonae, Moreira da Silva destaca os desafios constantes e a valorização da formação.

Talvez por isso a BA tenha criado um prémio de design de embalagens para alunos de universidades de Portugal, Espanha e Polónia, os três países onde tem fábricas. E há ainda "a cultura de inovação permanente", que na Barbosa e Almeida se traduz em indicadores como a criação de mais de uma nova embalagem por semana.

Numa empresa que vive apenas de um negócio, falar de spin-off é mais improvável do que na Sonae, mas Jorge Alexandre Ferreira, que teve a direção executiva da BA durante 10 anos, saiu em 2013 para ser, também ele, empresário por conta própria.

Engenheiro, José Romão de Sousa descobriu a Sonae num anúncio de jornal quando dava aulas na Universidade de Coimbra. Foi entrevistado pelo diretor-geral, Belmiro de Azevedo, e entrou como diretor de produção

Engenheiro, José Romão de Sousa descobriu a Sonae num anúncio de jornal quando dava aulas na Universidade de Coimbra. Foi entrevistado pelo diretor-geral, Belmiro de Azevedo, e entrou como diretor de produção

Luci­lia Monteiro

DA MADEIRA AO TREMOÇO
José Romão de Sousa só esteve um ano na Sonae. Foi o tempo suficiente para ser convidado por Belmiro de Azevedo a dar o salto até à Isar Rakoll, uma pequena unidade de especialidades químicas em Mindelo, onde assumiu as funções de diretor comercial e de marketing.

Engenheiro de formação, descobriu a Sonae num anúncio de jornal quando dava aulas na Universidade de Coimbra.

Respondeu, foi entrevistado pelo diretor-geral, Belmiro de Azevedo, e entrou como diretor de produção da sua unidade de produtos químicos, decidido a cumprir um "roteiro" profissional pessoal, que parece desenhado à medida da carreira em ziguezague que Belmiro sempre gostou de ver os seus quadros seguirem: queria começar pela produção, seguir pela função comercial, depois I&D e finanças, antes de se abalançar como diretor-geral.

Em 1978, quando chegou à Isar Rakoll, controlada por Belmiro de Azevedo, encontrou uma pequena unidade com 20 trabalhadores e uma faturação de 40 mil contos (200 mil euros). A empresa cresceu, associou-se à Proadec, que tinha o mesmo acionista maioritário e outros acionistas comuns, lançou novos negócios de raiz e em 1985, quando Romão de Sousa assume as funções de administrador-delegado e diretor-geral, o pequeno grupo já faturava um milhão de euros e empregava 125 pessoas.

Pouco depois, as empresas abrem o capital em bolsa e em 1997, quando o acionista maioritário (Belmiro de Azevedo) aceita alienar a sua posição, surge a operação de MBO através da qual Romão de Sousa e mais quatro gestores garantem o controlo total de um grupo com empresas como a Proadec Materiais de Revestimentos (orlas), Proadec Produtos Químicos (resinas), Isar Rakoll (colas) e Epoli (Espumas) que passa a operar sob a designação de Probos. Neste processo, a Figeste, holding pessoal de Belmiro de Azevedo, aceitou financiar um terço do valor da operação durante dois anos, mas em contrapartida subscreveu um aumento de capital da Probos e exigiu que as participações dos cinco gestores se agrupassem numa só entidade, a Promotor, SGPS, para ter apenas um interlocutor.

As colas e resinas acabariam por ser vendidas a um grupo americano numa altura em que se antecipavam dificuldades no negócio no mercado interno. "Houve eventualmente um erro de avaliação, mas o calçado era um dos nossos grandes clientes e com a saída das multinacionais do sector esperava-se uma grande redução da dimensão da indústria. A construção civil também estava parada, o que tinha repercussões nas colas e resinas sintéticas", explica Romão de Sousa.

As orlas foram vendidas a uma private equity e, nessa altura, os gestores deste negócio também adquiriram participação própria aqui, num processo que replica, de alguma forma, o MBO da Probos.

Aos 68 anos, mantém a ligação à Epoli, com um volume de negócios de 12 milhões de euros e 100 pessoas em duas fábricas, em Portugal e na República Checa, é professor catedrático convidado da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, lidera a Fundação Romão de Sousa, que há um ano inaugurou uma unidade terapêutica para ajudar pessoas que sofrem de perturbações mentais graves, e acaba de regressar ao universo Sonae, para integrar o conselho de administração da Sonae Indústria. Continua a entusiasmar-se por novos projetos, com destaque para o CEV Consumo em Verde, onde a Promotor, SGPS, entrou com mais dois investidores institucionais.

Investiram 30 milhões de euros em Cantanhede, para produzirem um fungicida biológico revolucionário a partir do tremoço. "Neste momento estamos a importar o tremoço para germinar, mas já há projetos para o produzir no Alentejo.

Houve alguns atrasos devido aos processos de aprovação do fungicida, mas já faturámos o primeiro milhão de euros numa encomenda para os Estados Unidos, em abril", refere.

João Barros (esquerda) e David Moreira estiveram juntos, nos anos 90, no Conselho de Gestores, um grupo de 12 quadros, presidido por Belmiro de Azevedo, que definiu as políticas de desenvolvimento do Grupo Sonae

João Barros (esquerda) e David Moreira estiveram juntos, nos anos 90, no Conselho de Gestores, um grupo de 12 quadros, presidido por Belmiro de Azevedo, que definiu as políticas de desenvolvimento do Grupo Sonae

Rui Duarte Silva

UMA DUPLA PARA TODO O TERRENO
David Moreira e João Barros conheceram-se na Sonae, onde cada um também fez o famoso percurso em ziguezague que tanto agrada a Belmiro de Azevedo, e hoje estão juntos na DMJB, a holding que combina as iniciais dos seus nomes e reúne negócios vários, da engenharia aos serviços, estudos de mercado, imobiliária e hotelaria.

É um grupo com ativos como a Infomercado, Imotinto e Hotel Flôr do Sal, quatro mil trabalhadores e um volume de negócios de 40 milhões de euros, em que o maior contributo vem da Safira, uma empresa vocacionada para a área de facility services, especializada na prestação de serviços de limpezas. Atentos a novas oportunidades de negócio, têm na Dislux o seu projeto mais recente, a nascer em parceria com uma empresa de Taiwan para operar na área das novas tecnologias de iluminação em Portugal e em África.
"Não gostamos de ficar parados. Recebemos os ensinamentos da nossa passagem pela Sonae e continuamos sempre à procura de oportunidades, projetos novos", diz João Barros, de 69 anos.

No seu caso, chegou à Sonae em 1973, trabalhou nos sistemas de informação, logística e centrais de compra, teve o pelouro do desenvolvimento de novos projetos na área dos hipermercados e dos centros comerciais. David Moreira, de 65 anos, entrou mais tarde, em 1984, quando a Sonae estava a desenvolver o projeto da distribuição moderna em Portugal. Está ligado à construção do primeiro hipermercado, em Matosinhos, e do primeiro centro comercial do grupo, em Cascais.

Como gestor, esteve envolvido na reorganização das áreas de engenharia e serviços em várias sub-holdings do grupo. No final de 2007 passou a desempenhar funções na Sonae Capital.

Estiveram juntos, nos anos 90, no Conselho de Gestores, um grupo de 12 quadros, presidido por Belmiro de Azevedo, que definiu as políticas de desenvolvimento do Grupo Sonae.

Em 1998 juntaram as suas competências para trabalhar na área da engenharia e serviços, iniciando um novo percurso como sócios de Belmiro de Azevedo num pequeno grupo de empresas que tinha um cliente importante na Sonae. É o caso da Selfrio (frio comercial e industrial), da Sistavac (ar condicionado) e da SMP Sociedade de Manutenção e Planeamento. A Safira nasce já neste projeto de parceria e acabará por ficar nas suas mãos quando chega o momento do MBO e da separação de ativos, em 2007, numa altura em que este grupo já faturava 86 milhões de euros.

As outras empresas ficam sob o domínio da Sonae Capital.
Sem hesitar, afirmam que continuam a ver-se como "Homens Sonae". "É difícil despir essa camisola", diz João Barros.

"A cultura de desafio, inovação e risco da Sonae ficou bem impregnada", acrescenta David Moreira.

Na verdade, ainda hoje continuam ligados à administração de empresas da holding pessoal de Belmiro de Azevedo, de quem falam como um "homem de rigor, um líder no exemplo", "capaz de levar o risco ao limite", pronto a "desafiar os próprios quadros a correr riscos".

Essa terá sido uma das aprendizagens que fizeram na Sonae para a sua vida de empresários, mas houve outros pontos marcantes, como a importância da formação, o espírito de cooperação, o trabalho em equipa, a ética, a verticalidade nos negócios.

Concordam que para se ser empresário, ou empreendedor, as pessoas têm de ter alguma predisposição, mas sabem que o ambiente também é fundamental e, no seu caso, admitem: "Belmiro foi um instigador da nossa passagem para o mundo empresarial. Abriu-nos a janela da oportunidade."

António Murta é um caso especial no universo de ex-Sonae. Nunca pertenceu ao círculo restrito de Belmiro e opera na economia de base tecnológica. Já teve o neto de Belmiro, Tomás, como parceiro numa empresa

António Murta é um caso especial no universo de ex-Sonae. Nunca pertenceu ao círculo restrito de Belmiro e opera na economia de base tecnológica. Já teve o neto de Belmiro, Tomás, como parceiro numa empresa

Egidio Santos

O ENGENHEIRO DO "SMART MONEY"
O engenheiro António Murta, 52 anos, surge como outsider no clube de empreendedores Sonae. Este "merceeiro digital", que se transformou em venture capitalist de base tecnológica através da holding Pathena, destoa do perfil padrão por não ter pertencido ao círculo íntimo de Belmiro e já ter o sangue do risco a correr-lhe nas veias antes da entrada na Sonae.
O caso deste venture operator diverge dos restantes empresários made in Sonae, apesar da sua carreira de 15 anos na Sonae Distribuição como diretor do sistema de informação e do spin-off que conduziu à criação da Enabler. É que logo que concluiu Engenharia de Sistemas na Universidade de Braga, o jovem Murta abalançara-se com mais três licenciados no lançamento (1998) de uma start-up tecnológica (F3M) que permanece, com outra liderança, em virtuosa atividade.

Murta acumula uma outra particularidade.

Uma das empresas do seu universo (Cardmobili) contou na fundação com a participação de Tomás Azevedo, neto mais velho de Belmiro. Tomás venderia depois a sua quota aos outros parceiros Murta e Carlos Oliveira, que já tinham estado juntos na fundação da Mobicomp, vendida à Microsoft. Como "merceeiro digital", Murta revelou-se uma peça fundamental na expansão do retalho, o fator de prosperidade da Sonae. Em seis anos, as vendas do Continente multiplicaram-se por 10.

Cansado "de dar dinheiro a ganhar aos outros", em 1987 faz uma parceria com a Sonae (sócia maioritária com 67%) para autonomizar o negócio, tornando a Enabler um fornecedor global de soluções integradas de software de retalho. O desempenho da Enabler Informática seduz gigantes como a indiana Wipro, que acaba por fechar a aquisição da software house, gerando um lucro de 35 milhões para os fundadores. Murta permanece quatro anos na Wipro Portugal, antes de se tornar "um emigrante nómada" e aprofundar a sua vocação de fazedor de empresas e tomador de risco.

Murta declina o convite da EXAME para recordar a passagem pela Sonae.
Não vê vantagem em contar uma história já gasta e conhecida. E sobre os negócios atuais da Pathena (deusa grega do conhecimento), prefere "partilhar essa aventura em progresso mais tarde". Murta interfere num universo de 14 empresas, entre as quais a Brisa Inovação (16%). O perfil não engana. São pequenas empresas assentes no conhecimento, com potencial de crescimento e vocação global.

"Como temos participações minoritárias, não consolidamos e não há uma lógica de grupo", refere. Mas, somando a faturação das participadas, o valor apurado é "de algumas dezenas de milhão de euros".

O novo fundo Pathena, lançado em 2013, conta com 50 milhões de "smart money".

Projetos sedutores são os que apostam na diferenciação, com um modelo de negócio original e escalável. Murta é membro da Associação Americana de Futurologia, mas não sente vocação para oráculo ou futurólogo. "Prefiro construir o futuro em vez de deixar que o futuro me aconteça", explica nas conferências em que participa. Porque "o digital está a alavancar o mundo".

Companheiro inseparável de Belmiro, Jaime Teixeira era já um gestor calejado quando se tornou dono da Orbitur e da Laminar. Quando saiu da Sonae foi para abrandar, mas admite que o deveria ter feito cinco anos antes

Companheiro inseparável de Belmiro, Jaime Teixeira era já um gestor calejado quando se tornou dono da Orbitur e da Laminar. Quando saiu da Sonae foi para abrandar, mas admite que o deveria ter feito cinco anos antes

NFACTOS/FERNANDO VELUDO

O COMPANHEIRO INSEPARÁVEL
Na galeria de empresários incubados na Sonae, Jaime Teixeira, 72 anos, é um caso especial. Companheiro inseparável de Belmiro, este engenheiro químico que ingressou na fábrica de aglomerados em 1973 foi um dos estrategas com papel ativo na construção do atual império Azevedo. Jaime partilhou alegrias e angústias, foi uma das peças da muralha que protegeu Belmiro. Em 1997 passou a pedalar a sua própria bicicleta, tomando as rédeas da Orbitur (turismo) e da Laminar (derivados de madeira), que no início resultou de uma parceria com a Sonae.

É ele o autor de uma das frases que melhor define o espírito do gestor Sonae. Na Sonae, os gestores "são empresários por conta de outrem".

Jaime Teixeira ainda conserva a carta que Belmiro lhe entregou quando, em julho de 1993, partiu para uma delicada cirurgia em Paris. Na carta, Belmiro deixava instruções para o caso de a intervenção correr mal. Transmitia as suas preocupações acerca da gestão, da comunidade Sonae, das relações com os bancos e acautelava a ligação ao BPA, o principal financiador do conglomerado. "Qualquer sucessão teria de ser encontrada em sintonia com a família. Seria feito o que a família Azevedo quisesse, no interesse do grupo. Eu teria sempre um papel a desempenhar: o de contribuir para que a família tomasse a melhor decisão", respondeu em 2011 ao Expresso. Desta vez, o empresário não teve agenda para receber a EXAME.

Na sua carreira ao lado de Belmiro, Jaime Teixeira aponta como marcos decisivos, na frente fabril, "a aquisição da espanhola Tafisa" (1993), por ter concedido escala e, sobretudo, "o programa de diversificação, lançado em 1982", permitindo à Sonae evoluir de uma fábrica de aglomerados para um conglomerado empresarial.

Foi correndo o risco de investir "em negócios virgens e não testados em Portugal", como a grande distribuição e os centros comerciais, que a Sonae traçou o seu destino. Acredita que Belmiro de Azevedo poderia ter construído "o maior grupo económico português de todos os tempos, mas o poder político não deixou".

Quando o movimento de libertação dos gestores se iniciou, Jaime Teixeira estava na primeira linha. A primeira opção foi, em aliança com Alberto Teixeira e Pinto de Sousa, ficar com a Sonae Indústria.

Mas acabaria por ficar com o negócio da Orbitur, ele que arriscara várias aventuras de caravanista por essa Europa fora. Ao Expresso diria que "deveria ter saído cinco anos mais cedo", com mais juventude e energia.

Quando saiu da Sonae, "foi para abrandar".

Ainda assim, procedeu a uma profunda revolução na Orbitur, negligenciando a expansão da rede (o número de parques passou de 22 para 24). O perfil da empresa é que mudou, evoluindo do campismo para operador turístico. Recebeu um conjunto de parques a precisar de requalificação urgente.
Substituiu uns, renovou outros, investindo 50 milhões de euros na primeira década.

"Os recursos são limitados e o dinheiro um bem escasso", costuma recordar. Mas a Orbitur é a segunda rede europeia em número de unidades e líder ibérico em dormidas, com mais de 1,2 milhões.

Nas receitas, está longe de outros ex-gestores Sonae que se tornaram donos de empresas. Em 2104, a Orbitur faturou 11,7 milhões de euros, duplicando o valor registado (5,6 milhões) no último exercício no universo Sonae.
Mas Jaime não abdica da costela fabril.

A Laminar, com base em Gaia, opera nos derivados de madeira e já teve dias mais felizes. A crise imobiliária que afetou os seus principais mercados levou a empresa a reduzir a dimensão. A faturação desceu, ficando, em 2014, em 5,3 milhões de euros.

Entre a Orbitur e a Laminar, Jaime Teixeira detetou uma vantajosa sinergia que abriu um novo espaço comercial para a unidade de madeira. A Laminar evoluiu para a prefabricação, especializando-se na construção de bungalows e caravanas residenciais (mobile home). Primeiro, forneceu a Orbitur, que se abastecia no exterior, depois passou a disputar o mercado ibérico.

Em 1972, numa viagem à Suíça, os velhos colegas de faculdade Benjamim Santos e Belmiro de Azevedo compraram uma prensa para a Sincal, que foi conservada na Indasa, onde os dois foram sócios

Em 1972, numa viagem à Suíça, os velhos colegas de faculdade Benjamim Santos e Belmiro de Azevedo compraram uma prensa para a Sincal, que foi conservada na Indasa, onde os dois foram sócios

Rui Duarte Silva

O PIONEIRO DOS MBO
A partir de Aveiro, na Indasa, Benjamim Santos criou um dos cinco melhores fabricantes mundiais de abrasivos do mundo. São 360 trabalhadores, sete filiais internacionais, vendas de 55 milhões de euros, 90% das quais correspondem a exportações, lucros de 8,5 milhões de euros em 2014, a perspetiva de crescer 10% a 15% este ano e faturar 70 milhões de euros em 2017.

A concluir um investimento de 14 milhões de euros na ampliação de instalações, modernização e equipamento, a empresa tem já um novo projeto de 11 milhões para continuar no top mundial dos produtores de lixas para repintura automóvel e outros sectores industriais.

Aos 76 anos, o empresário tem uma quota superior a 50% no capital e a presidência não executiva da Indasa, a viver uma fase de reorganização e mudança geracional, a exemplo da Sonae. Tem duas filhas a trabalhar na empresa, uma delas na administração, mas garante que aquele não é um negócio de família. "Estou de acordo com Belmiro de Azevedo no que respeita a saber que o capital e a gestão são coisas diferentes. A gestão tem de ser profissional e a melhor possível. O acionista só tem a lucrar com isso", garante.

Nunca passou pela Sonae, a Indasa nunca consolidou resultados com o grupo de Belmiro de Azevedo nem pode ser considerada uma spin-off, mas a ligação entre os dois empresários remonta a 1958, aos tempos de Faculdade de Ciências, onde foram colegas.

Quando Benjamim Santos entrou como caloiro, Belmiro, um ano mais velho, estava no segundo ano e os seus caminhos rapidamente se cruzaram entre cafés a 14 tostões. Além disso, ambos namoraram e casaram com alunas de Farmácia, que também estudavam juntas.

Acabado o curso, Belmiro seguiu para a Efanor. Um ano depois, Benjamim procurava o seu primeiro emprego e já Belmiro queria mudar de empresa. Encontravam-se no café Diu para conversar e no dia em que Belmiro decidiu entrar na Sonae até passou os contactos de potenciais empregos ao amigo. Benjamim Santos optou por outra via e entrou na Sonafi.

Em 1969, muda para a Eurospuma, em Espinho, para um emprego que tinha sido oferecido a Belmiro de Azevedo, mas em 1970 ruma a Sintra, como diretor-geral da Sincal, por influência do engenheiro da Sonae. "Era um fabricante de lixas do universo de Pinto de Magalhães (então dono da Sonae) que atravessava dificuldades." As conversas entre amigos e gestores continuam. Como em Aveiro havia outra empresa de lixas em dificuldades, a Luzostela, Belmiro e Benjamim preparam a fusão das duas unidades, num projeto que envolvia o encerramento da produção em Sintra e investimentos em Aveiro. O 25 de abril compromete a fusão, mas numa viagem a Itália Benjamim Santos visita uma pequena fábrica de lixas que trabalhava apenas com meia dúzia de pessoas e decide lançar o seu próprio projeto. Em 1979, convida Belmiro "a alinhar" e o engenheiro entra como sócio maioritário na Indasa, onde Benjamim Santos começou com uma participação de 8% e João Barros é também um dos acionistas.

O projeto de negócio era claro: concentração no segmento de mercado da repintura automóvel, exportar, trabalhar com uma marca própria, a Rhyno, e investir na qualidade. Por essa altura Belmiro de Azevedo já tinha comprado a Isar Rakoll e tinha fundado a Proadec. Entretanto, assume a liderança da Sonae, começa a criar o Grupo Sonae e a trocar participações, o que acaba por ligar a Indasa à Proadec.

Benjamim Santos decide então comprar a parte dele e dá início ao primeiro dos MBO a que Belmiro esteve ligado. Por isso, conta, quando os outros processos começaram a surgir, "Belmiro falava na síndrome do Benjamim".

Artigo publicado na Exame em Julho de 2015